Há várias espécies de baleias e duas delas, as Jubartes e as Francas, visitam o litoral brasileiro e atraem turistas de vários locais do mundo. As Francas podem ser vistas com mais facilidade no sul do Brasil, especialmente em Santa Catarina, na cidade de Imbituba. É possível avistá-las a olho nu, da areia da praia, sem precisar entrar no mar. Já as Jubartes são facilmente visualizadas no nordeste brasileiro, especialmente na Bahia. Porém, elas não são as únicas baleias que estão perto de nós. Há também a baleia-bicuda-de-cuvier (Ziphius cavirostris) que são cosmopolitas, ou seja, ocorrem em todos os oceanos, mais comumente nas profundidades e em regiões temperadas e tropicais.

Publicidade
Publicidade

Aqui no país, já foram registradas as presenças delas em estrados como Paraná, Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Paraíba e Fernando de Noronha.

Descoberta por G. Cuvier, no ano de 1823, ela é um pouco menor do que a Jubarte e a Franca. As fêmeas chegam a medir sete metros e meio e o macho tem registros de apenas sete metros. O seu peso médio é estimado em 3.000kg. embora no Brasil o nome popular seja baleia-bicuda-de-cuvier, a Ziphius cavirostris é conhecida de outras maneiras nos outros países como:

  • Portugal : Bico de Pato ou Zifio
  • Itália : Zifio
  • Espanha : Ballenato de cuvier
  • Inglaterra : Cuvier's beaked whale
  • Japão : Akago kujira
  • França: Ziphius

A Baleia-bicuda-de-cuvier possui o corpo longo e robusto. A cabeça é pequena, a nadadeira dorsal pode ser triangular ou falcada e localiza-se após o centro do dorso.

Publicidade

A pele apresenta grande variedade na cor e numerosas cicatrizes. Trata-se um animal discreto raramente visto no mar. A sua dieta é basicamente de lulas, peixes de águas profundas e ocasionalmente de crustáceos. Sua gestação dura aproximadamente dezesseis meses e nasce só um filhote com dois metros e meio.

Esse animal vive, no geral, em grupos de três a dez indivíduos, mas pode formar grupos de até vinte e cinco exemplares. Os machos adultos algumas vezes preferem viver solitários. Uma curiosidade da espécie é que ela consegue mergulhar e ficar lá nas profundidades do oceano por mais de quarenta minutos.  #Natureza #Animais