Nos dias de hoje, a possível escassez da água se tornou assunto quase que obrigatório. Fala-se muito da crise hídrica em São Paulo, mas pouco se fala da sua causa. Embora muitos imaginem isso, a crise hídrica não foi causada pela falta de chuva em alguns estados. Apesar de ser o que a mídia afirma, a falta de água não é resultado da falta de chuva, e sim da má administração dos recursos hídricos e da falta de conservação da #Natureza.

Para entender, é preciso saber um pouco mais sobre a chuva. As precipitações (ou chuvas) são classificadas em convectiva, orográfica e frontal. Para que ocorra qualquer uma das precipitações, é necessária a formação de nuvens por condensação do vapor d'água (resultante da presença de núcleos de condensação na atmosfera e ar saturado).

Publicidade
Publicidade

Por causa da poluição em grande escala e do sumiço da flora em vários pontos do Brasil, a água que deveria retornar como precipitação, não volta.

Vejamos o que acontece:

A água presente no solo é mantida e conservada ali pelos vegetais. São eles os responsáveis pela "administração" da água contida naquela área. Através do processo Solo-Planta-Atmosfera, a planta leva a água do solo para a atmosfera através da transpiração (evapotranspiração), aumentando assim a sua umidade. Sem as plantas, a água é perdida e não é absorvida pelo solo.

A água do planeta não vem do nada. Ela é resultado de um ciclo. Por causa da poluição e do desmatamento, o ciclo hídrico não está sendo completado. A água que deveria evaporar, condensar e depois precipitar para retornar ao solo não pode mais fazer esse caminho.

Publicidade

Todo o recurso hídrico potável está quase esgotado. E é a partir dele que tudo começa. Rios, lagos, lagoas, lençóis freáticos estão poluídos, tornando inviável o ciclo hidrológico.

Infelizmente o homem acha que derrubar uma árvore, ou milhares delas, não lhe causará mal algum. Estamos vivendo em uma sociedade onde é perfeitamente normal (e natural) trocar árvores por ar condicionados. É lamentável que o ser humano ache que a natureza deva suprir a sua ganância.