Manila, a capital das Filipinas, também sofre com a venda ilegal de exemplares de sua fauna, seja para alimentação ou para servirem como #Animais de estimação. Para entender mais todo esse processo e ter uma noção mais real do mecanismo da venda e até ter conhecimento das espécies vendidas, Rafe Brown, pesquisador da Universidade do Kansas, nos Estados Unidos, resolveu participar ativamente dos locais que comercializavam as mais diferentes espécies.

Brown trabalhava catalogando espécies desse país e se preocupava com esse comércio ilegal intenso. Por isso, nesse período, ele e sua equipe acompanharam o comércio dos mais diferentes animais como tigre e chifres, tartarugas marinhas e até rinocerontes.

Publicidade
Publicidade

Nesse meio, para a surpresa da equipe, duas espécies de lagarto desconhecidas foram encontradas sendo traficadas.

Eles também descobriram que pessoas que trabalhavam em zoológicos locais, políticos, funcionários do governo e donos de lojas do ramo participavam ativamente dessa ilegalidade, tanto na venda de animais vivos, quanto na venda de carne deles para a alimentação. Há também quem comercialize essas espécies falando que são medicinais.

Tudo isso foi possível por que ele e a sua equipe agiam como se fossem compradores. Ao conversarem com os traficantes, perguntavam se além do que estava sendo oferecido, as pessoas não tinham nenhum animal diferente que ficasse escondido. Era assim que os animais eram mostrados e, quando a equipe encontrava um réptil, comprava e levava para analisar geneticamente, com um intuito de ter um banco de dados e possibilitar uma ação mais focada no controle e preservação destes.

Publicidade

As duas novas espécies pertencem a uma família chamada popularmente como varanos. Escuros, possuem listras pontilhadas ao redor do corpo, como se fosse um colar. Um deles tinha 90 cm de comprimento e o outro 1,20 m. as espécies foram chamadas de Varanus bangonorum e Varanus dalubhasa e sua descrição completa foi publicada na revista "Zootaxa". O trabalho virou um documentário e o comércio ilegal conhecido foi descrito na revista "Biological Conservation". #Natureza