Há vários anos, a falta de água para abastecer a maior cidade do país cresce e ameaça o dia a dia dos paulistanos. A situação agravou-se durante o ano de 2014 e a grande metrópole de São Paulo está enfrentando um problema de dimensões imensas, sendo a pior falta de água dos últimos 80 anos.

O reservatório de onde vem a água que abastece a capital está em colapso lento e gradativo, atingindo níveis negativos. O sistema Cantareira, antes praticamente ignorado pela mídia e opinião pública, agora é um dos assuntos mais falados e comentados, pois São Paulo e várias cidades que formam seu entorno chegaram ao nível mais grave de uma crise hídrica.

Publicidade
Publicidade

E a palavra racionamento, há pouco tempo descartado pelas autoridades, ganhou corpo e hoje já é uma realidade próxima de ser aplicada. O governo já admitiu publicamente que o racionamento deverá acontecer a partir de abril. As autoridades postergaram esta medida tendo em vista que no mês de fevereiro termina a época de chuvas e os índices pluviométricos vão ditar que tipo de racionamento será aplicado a partir da primeira quinzena de abril de 2015. Mas, além disso, outras medidas de contenção, bem mais enérgicas poderão ser postas em prática, estando entre estas a aplicação de multas para quem fizer uso da água de uma forma que seja considerada como desperdício.

Comportamento equivocado em relação ao uso da água

A população brasileira em geral e especialmente os habitantes das regiões de Mata Atlântica, sempre mantiveram uma relação cultural frente aos recursos naturais.

Publicidade

Como sempre tivemos uma visão de que possuímos uma natureza abundante, com rios, cachoeiras e florestas, jamais pensamos em usar a água racionalmente. Porém, as pessoas não se deram conta que nestes anos todos de mau uso, foram sendo perdidas as florestas, a custa de uma forma errônea de uso do espaço urbano. Toda esta conduta equivocada desembocou em dois problemas graves com o consumo da água concentrado na região metropolitana de São Paulo e um brutal aumento da poluição, estimado em cerca de oito vezes.

A verdade é que esta crise hídrica existente na Grande São Paulo foi causada principalmente pela poluição e desperdício. O clima não é o grande vilão neste episódio. Os eventos climáticos apenas escancararam a crise e, não são os culpados.

Resta aos paulistanos prepararem-se para dias mais complicados e cooperarem para que as medidas adotadas tornem-se eficazes no combate à maior falta de água dos últimos 80 anos.