A importante barragem de Furnas, situada na Bacia do Rio Grande, em Minas Gerais, é responsável por 17,42% da capacidade de todos os reservatórios que abastecem com água a região Sudeste e Centro-Oeste.

Embora tenham acontecido chuvas que se precipitaram sobre a região sul de Minas Gerais, estas não conseguiram alterar a quadro preocupante e que acentua a queda do nível da represa de Furnas. No domingo (01), mantendo uma continuada tendência de queda, ele estava com apenas 9,46% da capacidade.

A preocupação dos técnicos aumenta na medida que as chuvas não conseguem vir com volumes capazes de alterar a situação. Mas esta apreensão por parte dos responsáveis pelo abastecimento de água, assim como de parte dos milhões de consumidores, poderá ficar ainda mais agravada em breve.

Publicidade
Publicidade

Outro importante reservatório, o de Três Marias, também localizado em Minas Gerais, hoje está com um nível de 10,56%, e é eminente o risco de ser ainda mais afetado por uma diminuição.

O colapso ronda toda a vasta região Sudeste e para que isso não ocorra é preciso contar com a ajuda da natureza. A situação é tão grave e preocupante que, ao se verificar como era o panorama há um ano, se percebe a brutal diferença de números.

Nos primeiros dias de fevereiro de 2014 o reservatório tinha 34%. E esta situação já era vista como muito baixo para aquele período. O que dizer destes minguados níveis de agora? Furnas está a mais de 15 metros daquele limite normal. A maior preocupação de técnicos e do governo como um todo é se esta redução prosseguir e atingir mais 4 metros. Furnas e todo seu sistema poderá entrar em colapso.

Publicidade

Os problemas não são apenas de Minas Gerais, pois têm reflexos em toda a região Sudeste e também na Centro-Oeste.

O governo federal demonstra não saber o que fazer, e nem quando fazer. Na semana passada, o ministro Eduardo Braga, de Minas e Energia, afirmou que seriam necessárias medidas de racionamento ou de racionalização se as hidrelétricas atingissem níveis abaixo de 10% da capacidade máxima. Pois isso acabou de acontecer com Furnas. E até agora não se viu medidas anunciadas para realizar o falado racionamento ou a racionalização.

A situação se agrava e o governo não consegue encontrar agilidade para tentar buscar fórmulas que possam pelo menos amenizar os incontáveis danos que a estiagem está causando ao Brasil.