Que São Paulo vive uma crise hídrica todos nós sabemos. Os motivos pelos quais isso está acontecendo são muitas vezes mascarados pela grande mídia e pelo poder público. Diversas são as causas, galerias pluviais antigas, explosão demográfica, falta de investimentos e aquele que julgo como o principal, o desmatamento nas áreas de mananciais e florestas.

Dados comprovam que quanto mais área verde no entorno de rios, maior será a quantidade água nele e menor será o problema com a seca. Mas, as autoridades não fiscalizam isso e o povo pouco se preocupa.

Agora que vivemos um momento muito crítico as pessoas têm se preocupado mais, pesquisado mais sobre o assunto e tentado economizar mais água.

Publicidade
Publicidade

Como sempre, cabe ao povo ter que fazer aquilo que o governador, o prefeito e a presidente não fazem.

Em um estudo da Fundação SOS Mata Atlântica, ficou comprovado que praticamente 80% da floresta que fica no entorno do Sistema Cantareira, foi perdida para pastos e construções. A área total é de 2.270 km2 e apenas 488 km2 possuem vegetação. Foram utilizadas imagens de satélites para basear as informações.

Imaginando que já estava ruim e não poderia piorar, os deputados do estado aprovaram no fim do ano passado um projeto de lei que iria pior essa situação. Um dos parágrafos permitia que a proteção de mananciais e olhos d'água fossem reduzidas para apenas 15 metros. Por sorte Alckmin vetou esse e outros parágrafos não agravando o desmatamento nesses locais.

Tendo em vista que para não ficarmos sem água e uma crise muito maior acontecer, é necessário que algumas medidas sejam feitas.

Publicidade

A primeira é a fiscalização para evitar que mais área verde seja destruída e que os proprietários de terras na região também ajudem nessa parte. A outra é a recuperação desses locais.

No intuito de contribuir e estimular a recuperação dessas áreas, a Fundação SOS Mata Atlântica lançará, com apoio do Bradesco Cartões e Bradesco Capitalização, um novo edital do programa Clickarvore para a doação de 1 milhão de mudas de espécies nativas para restauração florestal na Bacia do Sistema Cantareira. Essas mudas possibilitarão a revegetação de 400 hectares - o suficiente para conservar até 4 milhões de litros de água por ano.

Esse programa, Clickarvore, consiste na doação de mudas para o plantio e recuperação florestais. Desde 2012 uma nova estratégia é adotada: cada clique de internauta passou a valer um voto para definir regiões onde serão plantadas as mudas doadas pelos parceiros do programa. O proprietário de terras, além de receber as mudas e a orientação técnica, recebe benefícios após 3 anos caso a restauração florestal promovida traga resultados reais para a biodiversidade. #Natureza