O turista que visita o Corcovado de trem não deve entender o que aconteceu com o bairro do Cosme Velho, onde fica a Estação Trem do Corcovado, que parece ter sofrido um processo de abandono de seus mais belos casarões. Por sorte, alguns deles se transformaram em sedes de empresas e continuam muito bem cuidados. Mas outros, como o que fica em frente à estação, na esquina das ruas Cosme Velho com Smith Vasconcelos, parece cenário de novela de época, assombrado por muitas gerações. Outro, mais acima, também em estado lastimável é o Solar dos Abacaxis, todo pichado e deteriorado.

O Solar dos Abacaxis tem uma placa em sua fachada, quase ilegível por causa das pichações, que diz que ele data de 1843, construído pelo comendador Borges da Costa, com projeto de José Maria Jacinto Rebelo, ex-aluno do arquiteto Grandjean de Montigny,  que veio para o Brasil com a Missão Francesa no século 19. Esse chalé neoclássico foi moradia do primeiro goleiro da seleção brasileira, Marcos Carneiro de Mendonça, que também foi historiador e era casado com a filha do comendador. A casa fervilhava com reuniões de artistas e intelectuais da época e certamente não merece o aspecto de abandono em que se encontra.

Os moradores do bairro, os visitantes e os turistas, sem dúvida, se alegrariam ao ver esses imóveis reformados e de volta à vida, ocupados com restaurantes, bares, hostels, escolas, centros culturais, cinemas ou galerias de arte, enfim, com algo que lhes devolvesse a dignidade de outros tempos,  agora com outras funções. Eles parecem afirmar todo dia a tristeza pelo que foi perdido. Mas, quem sabe, suas velhas paredes possam voltar a se alegrar?

Os pichadores têm sido impiedosos com essas velhas paredes, como pode ser visto nas fotos, mas os grafiteiros parecem demonstrar toda a sua indignação diante de tanta destruição, com os olhos bem abertos e cheios de espanto de suas figuras. 

O caminho de carro para o Corcovado fica logo adiante do Solar dos Abacaxis, subindo pela ladeira dos Guararapes, e poderia apresentar-se bem mais aprazível para o visitante com um entorno mais bem conservado e revitalizado.  #Rio Cultura