O outono começou no dia 20 com horário marcado. A estação é a única que tem horário exato para o início: às 19h45. No primeiro dia, acontece o fenômeno chamado Equinócio,  em que o dia tem a mesma duração que a noite. O evento marcada a chegada da outono no hemisfério sul e da primavera,  no norte. A estação das folhas caídas deve ser marcada este ano por características um pouco fora do comum em algumas regiões, como temperaturas acima do normal e pouca chuva.

Mas, em outras regiões, o outono deve fazer jus aos seus princípios. No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina o período vai ser marcado por mais frio do que calor, além de que muitos nevoeiros que devem ser registrados. A partir de maio existe a possibilidade de geadas nos dois estados. Algumas cidades podem marcar temperaturas de até 10°C. 

Em estados como São Paulo e Rio de Janeiro é esperada pouca chuva, o que pode prejudicar no reabastecimento dos sistemas de divisão de água. Em contrapartida, os dias devem ser mais quentes nos dois estados. Assim como no Paraná, que deve contar com semanas quentes, apesar de a previsão ser de manhãs e noites frias no estado.

Segundo informações, as regiões brasileiras que mais vão contar com precipitações são o extremo norte das regiões Norte e Nordeste e o leste do Nordeste. Essa parte do mapa engloba localidades desde o Recôncavo Baiano até o Rio Grande do Norte. Os registros de chuvas devem passar dos 700 mm (milímetros).

Duas partes do país que ficam aliviadas com a pouca chuva são o Acre e o sul do Amazonas. Com menos tempestades, as partes vão poder se recuperar após os estragos feitos pela elevação dos dois que se encontram na região.

O outono acaba no dia 21 de junho. 

Os fenômenos do primeiro dia

Além do primeiro dia da estação contar com o Equinócio, em que dia e noite tem a mesma duração, outros dois eventos aconteceram: o único eclipse solar total do ano e a superlua. Porém, o eclipse solar poderá ser visto apenas no hemisfério norte, onde a sombra lunar vai cobrir países como a Noruega, Groenlândia, a Islândia e o conjunto de países do Reino Unido.

O outro fenômeno, conhecido como superlua, é quando a Terra, o sol e a lua se alinham. Nesse sentido, a lua fica mais próxima do nosso planeta, o que dá a impressão de que a lua está maior no céu.