A Transpetro, subsidiária de logística e transporte da #Petrobras, foi autuada pelo Conselho Diretor do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) do Rio de Janeiro, a pagar R$ 50 milhões devido a um vazamento que ocorreu nesta segunda-feira, 16. O incidente ocorreu no município de Angra dos Reis, no Terminal Baía da Ilha Grande. A decisão foi tomada após uma reunião emergencial nesta quarta-feira, 18. O Inea alegou que a empresa não apresentou informações corretas em relação ao vazamento.

A Transpetro, havia informado uma área onde teria ocorrido o vazamento. A área foi sobrevoada por funcionários do instituto, que verificaram uma mancha pouco significativa, com aproximadamente 560 litros de óleo. Quando sobrevoaram novamente a região nesta quarta-feira, 19, os técnicos verificaram que a mancha havia aumentado e que, segundo a nota publicada, a empresa do grupo Petrobras teria omitido informações ao Inea. A Transpetro, em nota, disse não ter omitido informações.

Segundo a empresa, assim que ocorreu o vazamento as autoridades foram informadas da situação e que toda a operação foi interrompida para evitar novos vazamentos. O óleo saiu de um dos tanques de lastro do navio Gothemburg. A empresa afirma que foram seguidas todas as medidas necessárias para contenção do vazamento. Na nota publicada pela Transpetro, ela informa que irá instaurar uma comissão interna para averiguar as causas do acidente, ressaltando que a empresa segue a legislação vigente, tomando todas as medidas cabíveis para reduzir os efeitos do vazamento.

O Acidente #Natureza

Na segunda-feira, 16, em uma operação de transferência de navios, no píer da Petrobras, em Angra dos Reis, no litoral sul do Rio de Janeiro, ocorreu um incidente que derramou óleo, na APA (Área de Proteção Ambiental) de Tamoios. No início, a empresa seria multada em R$ 2,38 milhões. Foram duas autuações, que levaram em conta os agravantes do acidente, já que atingiu uma área de preservação ambiental. A Transpetro, também deverá apresentar um relatório com as causas do acidente. Devido a omissão de informações, a multa foi aumentada para R$ 50 milhões.