Zimbábue espera vender cerca de 50 elefantes domesticados juvenis, para zoológicos estrangeiros visando financiar o seu parque nacional, para compensar o fim da renda de caçadores americanos depois que os EUA proibiram a importação de troféus de animais selvagens.

A maioria dos caçadores norte-americanos, agora estão atirando nos elefantes na África do Sul. Operadores de Safari e caçadores profissionais do Zimbábue dizem que a proibição tem prejudicado sua atividade.

Salvador Kasukawere, ministro do Meio Ambiente do Zimbábue, disse que espera exportar os elefantes jovens que serão domesticados antes que são exportados.

Publicidade
Publicidade

E ele admitiu que a venda dos elefantes seria controversa. Em dezembro Pierce Brosnan, um militante de longa data na defesa dos direitos dos animais, classificou de terrível o anúncio de que 36 elefantes filhotes tinham sido tirados de suas mães e estavam aguardando embarque para os Emirados Árabes Unidos e possivelmente China.

Colin Gilles, um especialista em elefantes e executivo na Wildlife and Environment Society, disse que a venda dos elefantes foi o melhor de dois males.

Os compradores dos elefantes não foram divulgados. Zimbábue já havia exportado elefantes para os Emirados Árabes Unidos, no ano passado , mas acredita-se que os 50 elefantes dessa vez podem ir para a China.

Os elefantes com idades entre cinco e sete anos de idade, serão domados após a captura para que eles sofram menos estresse durante a viagem.

Publicidade

Os elefantes do Zimbábue serão vendidos por 40.000 libras cada um, incluindo os custos de entrega.

O Zimbábue tem muitos elefantes no noroeste, segundo a maioria dos contadores de elefante, e autoridades de parques nacionais. Segundo disse David Cummings, um dos mais experientes ecologistas de vida selvagem do Zimbábue, as populações de elefantes crescer em cerca de 5% ao ano.

Ele disse que haverá uma recuperação rápida da população de elefantes em partes do Zimbábue onde os números caíram nos últimos anos. Havia cerca de 4.000 elefantes no Zimbábue há 100 anos. Agora, temos cerca de 100.000, completa David Cummings.