Em uma semana na qual o Papa deve publicar a encíclica sobre o meio ambiente, bispos se mostram preocupados com a situação dos desabrigados devido a desastres climáticos.

A semana traz para o Vaticano milhares de católicos. Eles chegam na busca de orientações para a ação da igreja. Diversos depoimentos chamam a atenção para a publicação do documento "Louvado seja: o cuidado da casa comum".

Os bispos pedem um estudo aprofundado que permita ao homem tornar-se "... melhores mordomos da criação". Todos os católicos e não católicos são chamados a ser guardas e administradores do dom da criação de Deus, colocando a gratidão no lugar da destruição.

Publicidade
Publicidade

Os bispos consideram importante assumir a responsabilidade pelos cuidados a serem tomados com nosso meio-ambiente. Eles também têm em vista uma preocupação com a situação das pessoas mais pobres que são afetadas pelas consequências das alterações climáticas.

As críticas dos bispos recaem sobre a atividade humana e como ela utiliza a energia, indústria e o cultivo da terra. Considera-se que são estas ações, quando efetuadas de forma desordenada, o principal motivo para as profundas e complexas alterações na Terra. Os bispos advertem para as consequências devastadoras desta falta de cuidado, com a desertificação de áreas antes produtivas.

No comunicado eles consideram que desastres naturais surgem como consequência do exagerado consumismo humano e que afeta a naturaza, a segurança alimentar, a saúde e a migração que causa grandes problemas na europa e que se manifestam nesta movimentada semana que antecede a encíclica papal.

Publicidade

A Cop21, a conferência do clima 2015, que ocorre na França em Dezembro é citada como uma esperança e sugere-se que os temas tratados deem destaque aos problemas com o clima internacional. A declaração conjunta solicita que: "... seja tomada uma ação direta sobre a situação de emergência que é prejudicial e determinada pela mudança climática global".

A expectativa é que a declaração dos bispos antilhanos consiga motivar de forma mais direta os participantes. Eles são instados a apresentar sugestões e orientações para tomada de decisões concretas. Somente assim será possível que sejam iniciados novos caminhos sustentáveis que evitem problemas climáticos, como eles ocorrem nos dias atuais: com consequências trágicas. #Religião