Convidado pela Secretaria de Assuntos Internacionais de Santa Catarina, o professor alemão Donat-Peter Häder, que é especialista em aquecimento global, afirmou em uma palestra, proferida em Florianópolis, que os efeitos do El Niño se intensificarão a partir de novembro. O convite teve a intenção de prevenir possíveis tragédias, como as enchentes que ocorreram recentemente nos estados do sul do Brasil.

Segundo Häder, os efeitos do fenômeno conhecido como El Niño, que ocorre quando há o aquecimento das águas do Oceano Pacífico, serão sentidos em todo o planeta.

Previsões

Para alívio dos catarinenses, apesar da previsão da meteorologia de chuvas acima da média até o final de 2015, o professor afirmou acreditar que o Estado não sofrerá grande impacto.

Publicidade
Publicidade

A maior preocupação seria uma seca na Amazônia. Para Häder, este será um "super El Niño", pois a medição demonstra que a temperatura aumentou um grau desde julho, o que corresponde ao dobro de fenômenos ocorridos anteriormente.

Também por causa deste aquecimento do oceano, as temperaturas deverão ser mais altas em todo o país. A previsão é de que o verão de 2015 - 2016 seja o mais quente de todos os tempos em todo o Brasil.

O desequilíbrio causado pelo El Niño deverá trazer também muita chuva para regiões onde não costuma chover, como na Califórnia, Paquistão, Índia, leste da África e Patagônia Argentina. Já a seca, além da Amazônia, deve atingir a Tailândia e a Indonésia.

Enchentes

 

Até agora foram muitos os estragos causados por enchentes e chuvas de granizo no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina.

Publicidade

Em algumas cidades catarinenses do Vale do Itajaí, choveu em um único dia o que era esperado para um mês inteiro. O mesmo ocorreu na capital gaúcha Porto Alegre, que teve em apenas doze horas o volume de chuva esperado para metade do mês de outubro. No interior do estado, o granizo causou estragos em várias cidades, deixando centenas de desabrigados. Os moradores das margens do Lago Guaíba também tiveram que deixar suas casas, por causa da enchente.

O que esperar de uma previsão de chuvas ainda mais intensas e recorde de temperaturas?

  #Mudança do Clima