O planeta anda pedindo socorro diante das ações do homem, chegamos a um estágio preocupante, pois cada ano que passa trás com ele  uma parcela de devastação na natureza. Para discutir essa situação, 195 países se reúnem em Paris para a COP 21 , que tem como objetivo frear o aquecimento global. A boa notícia é que este ano a conferência climática bateu recorde, nunca havia reunido tantos chefes de estado olhando para a mesma direção e com um só intuito: salvar o planeta. 

Nesta terça-feira (1), a conferência chegou no seu segundo dia com discursos dos presidentes dos dois países que mais emitem poluição no mundo: os Estados Unidos e a China.

Publicidade
Publicidade

Tanto o presidente Barack Obama  como o presidente chinês Xi Jinping destacaram em seus discursos que o tema exige urgência para ser tratado. De acordo o painel de cientistas da ONU (IPCC), a partir de 2020 a emissão dos gases precisa diminuir para evitar o aquecimento de 2 graus Celsius considerado perigoso. 

Antes de deixar a Cop 21, o Presidente dos Estados Unidos disse pela primeira vez em seu discurso que gostaria de ver um acordo vinculante, com força da implementação obrigatória para a redução dos gases do efeito estufa, o que quer dizer que houve uma mudança no discurso dos Estados Unidos, que até ontem resistia, juntamente com a China, em relação ao acordo vinculante. Logo após se reunir com alguns representantes de países que estão na lista dos mais ameaçados pela mudança climática, Obama disse que espera um acordo que possua metas mais ambiciosas.

Publicidade

Na busca de uma economia global de baixo carbono ao longo do século. Os EUA prometeu cortar 28% de emissões de gases até 2025. 

A COP 21 em Paris tem tudo para fechar grandes acordos para tentar frear o aquecimento global. O homem já sente claramente todos os dias a #Natureza respondendo as suas ações. As estações do ano já vem apresentando mudanças, assim como o tempo, em época de calor chove, em época de chuva faz calor ou seja este quadro precisa ser revertido se não vamos todos sofrer graves consequências com a possível chegada do aquecimento de 2 graus Celsius, considerado o mais perigoso.