Com o aumento do volume de chuvas, cresce também a proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da #Dengue, chikungunya e Zika vírus.

Apesar do verão ser a estação do ano que mais favorece a proliferação do mosquito, é preciso lembrar que as medidas de prevenção no combate ao Aedes devem permanecer durante o ano todo.

Então, para ajudar a eliminar os focos do vetor, que tal adotar medidas ecologicamente corretas em sua casa? Mas antes, é preciso entender alguns hábitos deste mosquito tão temido.

O local preferido do Aedes aegypti é a água parada, independente de ser limpa ou suja. É neste ambiente que a fêmea encontra as condições adequadas para que os seus ovos se desenvolvam. Ela precisa de sangue humano para a reprodução dos ovos, por isso, somente as fêmeas é que picam, especialmente durante o dia – com maior incidência ao amanhecer e ao entardecer.

Publicidade
Publicidade

Um basta ao Aedes

Sal de cozinha

Como os ovos do mosquito se desenvolvem em águas paradas, então, nada melhor do que tornar estas águas sem condições para a criação das larvas. E uma das formas mais baratas e ecologicamente corretas para isso é utilizar o sal de cozinha. Duas colheres de sopa para cada litro de água já é o suficiente para evitar o desenvolvimento do mosquito em águas paradas. Esta medida é bastante eficaz, principalmente, no caso de ralos onde, inevitavelmente, as águas se acumulam.

Água sanitária

A água sanitária é também bastante eficaz e pode ser utilizada em vasos sanitários (pouco utilizados), ralos de pia etc. Basta colocar um pouco do produto nos locais onde o mosquito pode se desenvolver, semanalmente, ou sempre após ocorrerem as chuvas.

Repelentes caseiros

Alguns repelentes caseiros também podem ser utilizados para espantar o mosquito.

Publicidade

Algumas plantas como a hortelã-pimenta e a citronela que, quando utilizadas na forma de óleos essenciais, ajudam a espantar os mosquitos pelo cheiro. Neste caso, basta pingar algumas gotas do óleo em um aromatizador de ambientes. Também é possível misturar o óleo essencial em um óleo corporal e espalhar pelo corpo, utilizando-o como repelente natural.

Contudo, não são todas as pessoas que podem utilizar o óleo essencial de citronela e o de hortelã-pimenta, segundo a fabricante de cosméticos orgânicos Herbia. De acordo com a empresa, a citronela não é indicada para pessoas que têm pressão alta e problemas cardíacos, pois ela pode acelerar os batimentos, alerta. Já o óleo de hortelã-pimenta não é indicado para gestantes e em casos de epilepsia, convulsões e ataques asmáticos. #Natureza #Sustentabilidade