Na última segunda-feira (20), a ONG Global Witness lançou mais uma versão do seu relatório “Em solo perigoso”, que avalia a violência contra ativistas ambientais em todo o mundo. Repetindo a posição de anos anteriores, o Brasil se manteve em primeiro lugar no número de mortes por assassinato cuja motivação principal foi o conflito de terra ou defesa do meio ambiente. A organização lembra que em geral falta uma investigação adequada desses crimes e demanda que as autoridades se dediquem a proteger melhor os ambientalistas.

Apenas em 2015, de acordo com o levantamento da Global Witness, 185 pessoas morreram no mundo todo vítimas de conflitos por defesa de terras ou do meio ambiente, valor quase 60% acima do registrado no ano anterior.

Publicidade
Publicidade

Apenas no Brasil aconteceram 50 mortes, ou seja, mais de 25% do total. Entre os Estados brasileiros, Rondônia lidera com 20 mortes e o Pará vem logo em seguida, com 19. Há suspeitas, porém, de que a quantidade de assassinatos seja ainda maior, já que nem sempre há uma notificação dos crimes com essa motivação. #Natureza #Crime