Fotos de uma tartaruga marinha sendo judiada, por um grupo de banhistas, em uma praia no Líbano, no dia 14 de junho, mas com desdobramentos até o momento, acabou chegando às redes sociais, provocando uma verdadeira onda de protestos dos protetores de animais em diferentes partes do mundo. As cenas chocantes, para não dizer trágicas, das pessoas segurando sem nenhum cuidado o animal para tirar selfies, fizeram com que as sociedades protetoras dos #Animais e o ministério de Agricultura do Líbano, se mobilizassem rapidamente no intuito de salvar a vida da tartaruga, que foi batizada após o incidente de Lucky (Sorte em inglês), que, segundo informações veiculadas, teria mais de 100 anos de idade.

Publicidade
Publicidade

A tartaruga se recupera lentamente, meio que por milagre e tão logo tenha condições físicas de viajar, será enviada para a Grécia com o objetivo de receber tratamento adicional de todos os maus tratos e perigos pelos quais passou na praia libanesa. 

A espécie de tartaruga da “caretta caretta” encontra-se em extinção e tem a sua população cada vez diminuindo mais por causa de fatores, tais como: poluição; pesca de arrasto do camarão, que é um dos seus alimentos e a intervenção humana danosa nos seus locais de nidificação. A tartaruga caretta encontra-se na lista de espécies ameaçadas desde 1978. 

Conforme relatos de testemunhas que presenciaram as cenas anteriormente citadas, Lucky, a tartaruga marinha, veio para a costa da cidade litorânea de Rmeileh Chouf no Líbano, onde uma criança a capturou, levantando o animal, o que bastou para que uma multidão ensandecida começasse a tirar selfies junto ao mesmo.

Publicidade

As testemunhas ainda disseram que a tartaruga foi espancada na cabeça com uma vara. 

O gerente do escritório da associação conhecida como Animais do Líbano, Farah Mehtar, fez questão de falar à agência de notícias Reuters que o grupo o qual representa está trabalhando com ministério da Agricultura libanês para socorrer Lucky. Mehtar disse que não sabem se o animal “foi atingido aqui ou quando chegou à costa. Não podemos fazer suposições sobre o que aconteceu exatamente, mas sabemos que uma tartaruga foi atingida na cabeça”. 

O relato de Mohammad Sukkarieh, veterinário do Ministério da agricultura, sobre o grave estado de saúde Lucky após o abuso causou ainda mais comoção, pois segundo o veterinário, o animal rejeitava a comida e ficou sob cuidados intensivos, recebendo injeções a cada 72 horas. 

Lucky necessita de se submeter a exames de raio-x, mas os veterinários insistem em afirmar que o animal precisará de no mínimo três meses até que ele possa viajar para a Grécia a fim de receber tratamento mais adequado.

A oferta foi feita ao ministério da Agricultura do Líbano pelo Conservatório de Tartarugas da Grécia, que arcará com todas as despesas de tratamento médico e demais cuidados necessários nas suas instalações. Tomara que a história de Lucky possa fazer jus ao seu novo nome e que tenha, de fato, um final feliz. #Natureza #Comportamento