A Agência Espacial Norte-Americana (NASA) e a Agência de Oceanos e Atmosfera dos Estados Unidos (NOAA) consolidaram, no mês de junho, as maiores temperaturas observadas desde o início dos registros da NOAA, há 137 anos. Ao mesmo tempo, foi o 14º mês consecutivo a quebrar recordes de temperaturas mensais.

A única região continental do planeta onde não foi registrado aumento de temperatura em relação à média histórica foi o centro-sul da América do Sul, que apresentou temperaturas 1º C mais baixas do que a média – resultado da onda de frio que atingiu o Sul e o Sudeste do Brasil, o Paraguai e parte da Bolívia naquele mês.

Segundo a agência americana NOAA, "a temperatura média global sobre as superfícies terrestres e oceânicas, em junho de 2016, foi a mais alta para o mês de junho nos registros de temperaturas globais da NOAA, que remontam ao ano de 1880", com médias de temperaturas 0,9°C acima da média do século XX.

Publicidade
Publicidade

Também ficou demonstrado pelos relatórios que 14, dentre os 15 picos recordes de calor registrados, ocorreram a partir de fevereiro de 2015, atestando que o aquecimento global está, de fato, se acelerando.

Segundo Gavin Schmidt, diretor do Centro Goddard de Estudos Espaciais, da NASA, "embora o El Niño no Pacífico tenha dado um impulso às temperaturas globais a partir de outubro, é a tendência subjacente [de aquecimento global] que está produzindo essas cifras recordes".

O aquecimento global é justamente esse aumento médio das temperaturas do planeta. Oficialmente, o principal órgão responsável pela sistematização e divulgação de estudos relacionados com o aquecimento global é o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

Para a maioria dos cientistas, o aquecimento do planeta está relacionado diretamente às práticas humanas sem cuidados de #Sustentabilidade, como a degradação das florestas, a emissão de poluentes no ar, as queimadas, entre outros.

Publicidade

Entre as principais consequências do aquecimento global estão o derretimento das calotas polares, a elevação dos níveis dos oceanos, os distúrbios climáticos como tornados, furacões e enchentes, o incremento na ocorrência de incêndios florestais e a extinção de espécies animais e vegetais. #Mudança do Clima