As questões climáticas não podem ser desvinculadas do problema dos combustíveis fósseis, pois pretender reduzir as emissões de carbono significa estar consciente da necessidade de substituir os combustíveis fósseis por fontes de energia renováveis contrariando interesses da indústria petrolífera, estes muito maiores do que a preocupação com as mudanças climáticas. Daí o cuidado que precisam ter os governantes mundiais presentes na reunião de cúpula do G20 na China. 

A poluição atmosférica é um problema local ligado ao consumo de energia e, consequentemente, um problema vinculado também ao #Desenvolvimento Tecnológico, progresso e prosperidade.

Publicidade
Publicidade

No campo da produção de energia, o uso dos combustíveis fósseis tem lugar importante para o alcance desse desenvolvimento porque os problemas ambientais e climáticos são problemas decorrentes do estilo de vida nas modernas sociedades. E ao viver em grandes aglomerados urbanos, o homem tem produzido impactos ao ambiente principalmente devido à necessidade de explorar os recursos energéticos do planeta.

Ainda que esse seja o preço do progresso, a relação entre as atividades antrópicas que emitem os chamados gases de efeito estufa e as mudanças climáticas que apontam para o aumento da temperatura da atmosfera, não há de ser uma simples questão de causa e efeito. Em nome do progresso e da produção industrial, preocupações ambientais foram ignoradas por décadas, com efeitos de longo prazo sobre a terra e seu povo.

Publicidade

No Brasil, o desenvolvimento ocorreu sob a dependência da gasolina e do óleo Diesel destinados à indústria e aos setores de iluminação e transporte. Fatores convergentes como a implantação de fábricas de automóveis e a construção de estradas de rodagem, determinaram um aumento da demanda de petróleo e como resultado desse processo, o consumo de combustíveis cresceu, aumentando as emissões e contabilizando impactos ao ambiente e à sociedade.

Portanto, diante do caráter indissociável entre energia e desenvolvimento, o uso dos combustíveis fósseis tem um papel estratégico adicionando problemas de caráter local, urbano, regional, continental e global, relacionados à qualidade do ar, devido à emissão de poluentes. E embora não sejam as únicas, as usinas termelétricas (UTEs), baseadas na queima de combustíveis fósseis (petróleo, gás e carvão) têm sido consideradas no mundo inteiro, grandes responsáveis pelo aumento antrópico da concentração dos gases de efeito estufa na atmosfera.

Os problemas não são novos nem é nova a consciência dos danos advindos de uma atmosfera poluída.

Publicidade

São vários os registros de ações motivadas pela poluição que, inclusive, ainda motiva a elaboração de acordos, tratados internacionais, leis e normas controladoras comprovando a preocupação com o que fazer para controlar a emissão de substâncias tóxicas no ambiente. No entanto, é preciso ressaltar que nenhuma lei ou Tratado, por si só, assegura o direito de respirar um ar sadio, mas dá, à sociedade, instrumentos para exigir que os poderes públicos assumam uma postura positiva em relação a um ambiente ecologicamente equilibrado.

Por esse motivo, discutir as questões climáticas sem vinculá-las ao problema dos combustíveis fósseis e ao desenvolvimento, seria condenar a discussão ao fracasso contrariando a convocação do líder chinês, Xi Jinping (2006) que pede "medidas concretas, sem discussões ocas" . Em outras palavras, é preciso não manipular o discurso deixando claro que a humanidade tem que reduzir a velocidade da corrida em busca do crescimento, se deseja um futuro sustentável #Fontes renováveis #Mudança do Clima