O tempo da natureza não se conta em minutos nem em horas, nem mesmo em anos. A escala de tempo do homem, ao contrário, é infinitamente menor, mas num ritmo insensato que busca viver mil anos em um minuto, sendo esse descompasso a sentença de morte da natureza.

Apesar disso, chefes de nações grandes ou pequenas, ricas ou pobres, não estão preocupados com políticas de sustentabilidade porque essas não trazem resultados imediatos. Eles têm um tempo para desenvolver suas políticas, muitas delas “prometidas" nos palanques de campanha, e o Trump foi pródigo em promessas que acordaram, no povo americano, velhos sonhos de grandeza nacional.

Publicidade
Publicidade

Políticas que expressam e traduzem sua própria (do Trump) vontade de exercer o poder maior durante o tempo limitado de seu mandato.

No entanto, tendo passado pelo crivo do voto popular e em #Eleições competitivamente acirradas, entende-se que suas “promessas" de campanha tenham sido aprovadas pela maioria do povo americano e portanto correspondem aos desejos da maioria da população. Mas isso pode não ser absolutamente verdadeiro.

O que pensa o povo americano?

Parece evidente que #Donald Trump encara a política do combate ao aquecimento global como um obstáculo ao desenvolvimento do país, e não lhe apraz pensar em desacelerar o crescimento econômico em prol de uma #Política ambiental que não se coadune com a própria ideologia de governo. Do seu governo.

Todo o processo de luta para que os EUA assumissem sua grande responsabilidade pelas emissões de gases do efeito estufa (GEEs), pode estar perdido.

Publicidade

A supor pelas indicações do novo presidente para alguns cargos no governo, esse retrocesso é evidente. De acordo com Miriam Leitão (CBN), Trump indica para comandar a EPA (Agência de Proteção Ambiental Americana), o nome de Myron Eball, dirigente de uma ONG financiada pela indústria petrolífera. No campo da energia, escolheu Mike McKenna que também é ligado a empresas de petróleo e gás. Para um bom entendedor…. as escolhas estão coerentes com suas declarações de campanha quando deixava claro que não acredita na mudança climática.

Mas e o povo americano, acredita? Terá ele a noção da profundidade e abrangência das propostas feitas por Trump para “acelerar” o crescimento econômico dos EUA a qualquer custo? Trump ganhou as eleições, mas ganhou, de fato, o aval do povo americano para apagar o esforço realizado pelo governo anterior no sentido de combater o aquecimento global?