Laços de amor e amizade! É desse modo que pode ser definida a história de uma família na Inglaterra com o seu precioso bichinho de estimação. Geralmente os veterinários estão acostumados a tratar de cães e gatos e alguns outros #Animais mais comuns; entretanto, a história em questão é um pouco diferente, ao menos no que se refere à espécie do animal enfermo, pois em um determinado dia, alguém na casa acabou identificando um pequeníssimo caroço numa das nadadeiras de Bob, que é o nome de batismo do #Peixinho dourado que vivia com a família há exatamente duas décadas. A partir daí, todos se mobilizaram para conduzir o animalzinho para passar por consulta e exames com uma famosa médica de animais na cidade de Norfolk, a Dra.

Publicidade
Publicidade

Faye Bethell.

O que se desenrolou após esse encontro entre paciente e veterinária, foi que Faye submeteu o peixinho dourado a uma incisão cirúrgica, que durou meia hora, mas salvou a vida da pequena criatura. O que é mais notório em toda esta narrativa, é que as pessoas citadas não ficaram alheias aos seus sentimentos de bem querer, amizade e amor, por se tratar de um “simples” e diminuto peixe, antes, porém, não pestanejaram em pagar aproximadamente o valor de R$ 780 pelos honorários médicos.

A veterinária disse ainda que a decisão era bastante difícil, uma vez que se o animal não tivesse o câncer extraído, obrigatoriamente teria de ser abatido, o que seria muito difícil e doloroso para o #Casal, até mesmo porque o peixinho era mais velho do que os filhos deles. O bom disso tudo é que Bob está se recuperando de modo satisfatório.

Publicidade

A Dra. Faye Bethel inovou e se reinventou durante a cirurgia do animal, na medida em que teve de adaptar um monitor de freqüência cardíaca bastante minúsculo, onde o mesmo foi anestesiado, comendo anestésicos ministrados pela veterinária.

A profissional esclareceu ainda que todo o procedimento se torna mais complicado em função do instrumental cirúrgico em miniatura e, além disso, Bob era o peixe mais idoso que Faye tinha operado. Felizmente o peixinho já está em casa e está nadando conforme a expectativa de todos pela primeira vez em duas semanas.

A evolução médico-científica atinge também os animais de estimação, fazendo com que os mesmos possam ter uma expectativa de vida mais longa e com mais qualidade. São profissionais como Faye Bethel e protetores de animais como a família de Norfolk, que comprovam que ainda há esperança não só para os seres irracionais, mas, principalmente, para os ditos “animais racionais" ou seres humanos.