O resgate das baleias-pilotos encalhadas no noroeste da Ilha do Sul na Nova Zelândia continua mobilizando a população local. Neste sábado, dia 11 de fevereiro, voluntários conseguiram impedir o encalhamento de mais 200 baleias que se dirigiam à praia. De acordo com a BBC News, o motivo pelo qual as baleias continuam se deslocando em direção à costa de Golden Bay ainda não é conhecido, porém, as marcas de mordidas encontradas em um dos animais encalhados sugere que estas estão fugindo de ataques de tubarões nas águas mais profundas.

Especialistas afirmam que o número de baleias que se dirigem à praia tem aumentado desde quinta-feira, dia 09 de fevereiro, quando mais de 300 animais amanheceram encalhados na areia, somando mais 650 baleias no total, uma das explicações para este aumento é o som emitido por aquelas que estão encalhadas pedindo ajuda de suas companheiras que vem ao resgate e acabam presas na praia.

Publicidade
Publicidade

Maior encalhe de baleias-piloto

Esse é o maior #Encalhe de baleias na costa da #Nova Zelândia desde 1985, quando 450 animais ficaram presos em Auckland. De acordo com o jornal USA Today, um novo grupo de 240 baleias ficou preso na praia nesta manhã de sábado, apenas algumas horas depois do envio com sucesso de 200 animais para águas profundas. Os voluntários estão mantendo as baleias cobertas com panos molhados para resfria-las o suficiente para sobreviverem até a manhã de domingo, quando uma nova tentativa de envio dos animais às águas profundas será feito com a subida da maré. O número de mortes, porém, já ultrapassa 330 animais, sendo que em alguns foi necessário realizar eutanásia, pois estavam muito feridos.

As baleias-piloto

As #baleias-piloto não são consideradas animais em extinção, porém, segundo o jornal Folha de S.

Publicidade

Paulo, pouco se sabe sobre sua população na costa da Nova Zelândia. As baleias-piloto podem chegar até 7 metros de comprimento pesando de 4 a 5 toneladas. Ao contrário das outras espécies de baleias, a piloto tem nas águas profundas seu habitat natural, pois tende a se alimentar de lulas e polvos, animais que não habitam as partes rasas dos oceanos.