É inegável que grande parte das conquistas, invenções e estudos da humanidade se deve ao apogeu intelectual com o qual a #Grécia influenciou a história da humanidade através dos milênios.

Por outro lado, a influência dos cientistas gregos não se resume unicamente a Grécia Antiga, [VIDEO] pois ainda hoje há representantes da República Helênica que vem contribuindo de modo muito eficaz na evolução científica do mundo moderno.

É o caso, por exemplo, de Yiannis Baziotis, geólogo da #Nasa participante junto com oito membros, os quais constituem uma equipe organizada para realizar pesquisas de meteoritos na superfície do continente gelado da Antártida.

Publicidade
Publicidade

Baziotis, além de geólogo, é professor assistente da renomada Universidade de Atenas e ficará estabelecido na base de McMurdo até janeiro do ano que vem, sendo que o pesquisador faz questão de compartilhar suas novas impressões e experiências na sua rede social do Facebook, enquanto o mesmo trabalha e estuda nessa parte remota e inóspita do planeta.

O grego relatou estar sendo uma experiência para lá de especial conhecer a "beleza espetacular" da Antártida, ainda mais para alguém que como ele está acostumado com o clima seco e quente do Mediterrâneo na maior parte do ano. “É como estar vivendo um sonho, a oportunidade de participar na missão ‘ANSMET’", disse Yiannis.

O “Programa de Busca de Meteoritos da Antártida”, cuja sigla em inglês é ANSMET é totalmente um projeto de cunho científico encabeçado pelos #Estados Unidos, que tem como objetivo principal a recuperação de diferentes tipos de meteoritos no solo da Antártida.

Publicidade

O geólogo passa a maior parte do tempo na base de McMurdo e adjacências, preparando o equipamento, tomando café da manhã em uma mesa com pessoas de pelo menos cinco nacionalidades diferentes, praticando ciclismo no que pode ser chamado de ruas geladas e enlameadas em torno da base de apoio e sobrevivência.

Baziotis relata experiências tão únicas, [VIDEO] como a de ficar observando as focas deslizarem nas ondas assim como se fossem surfistas australianos, logo nos seus primeiros dias de missão.

Projeto ANSMET

A título de curiosidade o ANSMET foi criado pela NASA no distante ano de 1976, visando promover missões em direção à Antártida para descobrir e estudar mais de 21 mil tipos de meteoritos com suas composições e formatos.

Vale frisar de que tais espécimes geológicos acabam se transformando em uma fonte confiável e contínua de material novo, não-microscópico de objetos oriundos do espaço, como pedaços de asteroides, planetas e outros corpos celestes para o estudo de milhares de cientistas nos quatro cantos do mundo, interessados em descobrir as verdades fundamentais acerca da Terra.