A situação dos reservatórios que abastecem a Região Metropolitana de Belo Horizonte ainda é preocupante, mesmo com as chuvas dos últimos dias, afirma a presidente da Copasa, Sinara Meireles, em reunião com a força-tarefa que gerencia a crise hídrica em Minas Gerais, que aconteceu nessa segunda (9) em Brasília (DF).

Os reservatórios que abastecem Belo Horizonte registraram um pequeno aumento com as últimas chuvas, estava em 29,5% de sua capacidade, aumentando para 30,1%. Mesmo assim, o mês de janeiro de 2015 apresentou uma diferença negativa em relação com 2014 e 2013, que registraram na época 38,9% e 55,6%, de modo respectivo.

Publicidade
Publicidade

Nessa segunda reunião os representantes da força-tarefa, apresentaram os detalhes de obras e projetos que têm relação com a gestão hídrica no estado e que serão usados como base nas futuras ações da gestão estadual.

Ainda ficou programada uma nova reunião para essa quarta-feira (11), com a participação da força-tarefa e os Ministérios da Integração Nacional e das Cidades, para apresentarem também os projetos visando conquistar o apoio da União em relação ao plano para conter essa crise, ou ao menos amenizá-la.

Na reunião dessa terça-feira a força-tarefa procurou juntar informações para o planejamento no qual o Governo Estadual apresentará em uma reunião com o Conselho Estadual de Recursos Hídricos sua posição oficial, nessa quarta-feira(12). Esse conselho é integrado por Órgãos Públicos, Setores de Produção e a Sociedade Organizada, tendo como objetivo assegurar a quantidade e a qualidade da água e sua utilização.

Publicidade

Vários setores da sociedade, como Gestão Estadual, Gestão Municipal, Grupos de Meio Ambiente, entre outros, participaram dessas reuniões.

Como em outros estados que passam pela mesma situação hídrica, esses representantes juntos com o Governo Federal, contam com a máxima colaboração da sociedade, no que se refere a utilização da água com mais consciência para que não possa em um futuro bem próximo ter que haver racionamento, como já se fala em até cinco dias sem água em São Paulo, durante a semana.