No último domingo um homicídio chocou a cidade de Belo Horizonte. Um taxista foi morto por meio de arma branca. O crime ocorreu no setor Bairro Caiçara, na capital mineira. De acordo com informações da Polícia Militar, até o momento não se tem nem um suspeito e tão pouco sabe as circunstâncias que envolvem o crime.

A vítima deste crime bárbaro, é o senhor Jamilson Avelino Ramos, que tinha 59 anos. A Polícia Militar encontrou Jamilson com diversos ferimentos e por ver a gravidade da situação o levou para o Hospital Odilon Nehrens, onde morreu logo em seguida. O taxista Jamilson Avelino Ramos estava jogado no chão, em um local próximo ao seu carro na rua Cláudio Martins.

Publicidade
Publicidade

Seu veículo de trabalho era um Fiat Palio, foi localizado próximo a vítima, mas em rua diferente. O carro estava na região noroeste de Belo Horizonte, no Bairro Nova Esperança, em uma rua conhecida como Rua Natal, na madrugada da última segunda-feira,21. Segundo testemunhas oculares, o carro de Jamilson estacionou e um homem com atitude suspeita logo saiu em disparada fugindo para um matagal. A Polícia Militar informou por meio de boletins que até o momento ninguém foi preso. Junto ao taxista Jamilson Avelino Ramos foram encontrados a quantia de setenta e oito reais em dinheiro, juntamente com sua Carteira Nacional de Habilitação. Logo após deixarem Jamilson no Hospital Odilon Nehrens, a guarnição da Polícia Militar de Belo Horizonte se dirigiu para CEFLAN 1, como é conhecida a Central de Flagrantes 1 da Polícia Civil.

Publicidade

Muitos protestos ocorreram após a morte do taxista. E diversos órgãos relacionados aos profissionais do Trânsito lamentaram sua morte. Como é o caso do senhor Ricardo Faeda, que é presidente do Sindicato dos Taxistas de Belo Horizonte, MG, que em sua mensagem demonstra total desconforto com a situação atual da segurança pública, e considera os taxistas uma classe vulnerável pois tem a necessidade e obrigação de atender e pegar qualquer passageiro que solicitar seus serviços. Termina pedindo ao governo que aumente a força policial de Belo Horizonte, para que se tenha mais efetividade com o policiamento ostensivo.

O sindicalista Ricardo Faeda também informou que o sindicato irá acompanhar de perto todos os tramites das investigações relacionas a morte de Jamilson Avelino Ramos, e fica na expectativa de que a justiça venha ser feita e que o assassino pague pelo crime que cometeu. Os números da Polícia Militar de Belo Horizonte é alarmante, atualmente apenas na capital mineira passa de cinco o número de assaltos diários a taxistas. #Casos de polícia #Portal do Tocantins