Mais um #Crime bárbaro que choca a população de Belo Horizonte aconteceu nesta quarta-feira (09). Luciene Soares de Souza, de 45 anos, sacou dinheiro em um banco e logo na saída já foi abordada pelos criminosos. Testemunhas informaram que ela reagiu e acabou sendo assassinada.

Conhecido como "saidinha de banco", este tipo de crime tem se tornado cada vez mais comum na capital mineira, no entanto, nenhum assassinato havia sido registrado ainda nesta modalidade de assalto.

Na Rua Júlio Pereira da Silva, Cidade Nova, região nordeste de BH, a mulher sacou o dinheiro para pagar seus funcionários e acabou sendo morta por ter recusado entregar o dinheiro aos bandidos.

Publicidade
Publicidade

Quando os policiais do 16º Batalhão chegaram ao local, a mulher estava caída e o SAMU chegou logo em seguida para prestar os primeiros socorros, mas de nada adiantou, pois ela morreu ali mesmo, em via pública. Os policiais localizaram o marido da vítima, que confirmou o saque do dinheiro para pagamento de funcionários.

Na bolsa da mulher ainda estavam os R$ 3.720,00. O corpo de Luciene foi encaminhado para o necrotério do Odilon Behrens e o BO foi registrado na 3ª Delegacia Regional da cidade.

O crime teria acontecido por volta das 14h30, próximo a agência da Caixa Econômica Federal. Dois homens armados abordaram a mulher pedindo o dinheiro, de acordo com testemunhas que viram tudo, e ela recusou a entregar sua bolsa, onde estava a quantia sacada no banco.

Como a mulher se recusou a entregar a bolsa com o dinheiro, um dos homens atirou nela e logo em seguida eles fugiram, tomando rumo desconhecido.

Publicidade

Algumas testemunhas informaram que eles não estavam usando capacete e por isto a polícia vem tentando conseguir pistas que levem aos assassinos.

Os dois criminosos fugiram em uma moto, sentido Venda Nova e a, até o momento, ninguém foi preso. A Polícia Militar de Minas Gerais agora conta com denúncias anônimas para chegar até os criminosos, mas, infelizmente, ainda não foram fornecidos dados suficientes para identificar os criminosos. #Violência #Casos de polícia