Conhecida como a capital nacional dos bares, Belo Horizonte está vivenciando mais um festival Botecar, que entra na sua terceira edição. Desde o dia 6 de abril e até o dia 7 de maio, são esperados 500 mil botequeiros em 50 diferentes bares, botecos e botequins da capital mineira. O tema este ano é Mineiridade e os donos e cozinheiros dos bares foram obrigados a se debruçar sobre a história de Minas com suas festas religiosas, seus pratos e ingredientes mais típicos a fim de elaborar os pratos e encantar a clientela. Além disso, mostram a evolução da gastronomia mineira passando pelos antigos tropeiros, as charmosas fazendas coloniais até os dias de hoje, com pratos mais elaborados, mas a partir de ingredientes simples.

Publicidade
Publicidade

Os frequentadores tambem serão os jurados que escolherão, além dos pratos, o charme e o aconchego do local. O campeão será o que obtiver a nota mais alta. Os pratos variam entre R$5 e R$ 35. Este ano a novidade será o "Chefia Camarada", concurso paralelo para definir o melhor garçom da capital das Alterosas. A votação será feita, em separado, no site do evento.

A primeira edição do festival foi realizada em 2014. O evento movimenta a economia que passa por um momento delicado, atraindo turistas e os famosos botequeiros locais. Segundo o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Minas Gerais (Abrasel MG), Ricardo Rodrigues, o faturamento nominal dos bares de Belo Horizonte chegou a R$ 4,5 bilhões. Segundo dados de 2013 do Ministério do #Turismo, Belo Horizonte contava com aproximadamente 14 mil bares para população estimada de cerca de 2,4 milhões de habitantes.

Publicidade

Ou seja, um bar para cada grupo de 170 apreciadores de um bom tira-gosto, uma cerveja gelada e um papo descontraído com os amigos.

Receitas de dar água na boca

O campeão do Botecar do ano passado foi o "Boteco da Carne", estabelecimento localizado em Lourdes, tradicional bairro da zona Centro-Sul da cidade e reduto de bares despojados e restaurantes de alta gastronomia, além de ser o metro quadrado mais caro de Belo Horizonte. Segundo o proprietário, Leonardo Marques, a disposição é por brigar pelo bicampeonato. Para tal, a receita concorrente este ano é "Trio Fazenda da Ripa” - uma combinação de costela de porco empanada, mandioca cozida na manteiga e bolinho de milho."

Outro ponto turístico tradicional em Minas, o Mercado Central, conta este ano com a primeira participação de um representante. O "Bar do Júlio" que funciona há 30 anos no local, apresenta a “Chapa do Julio”, que contém pernil, linguiça, fígado, cebola, mandioca, torresmo e o famoso molho do Julio. Também participam pela primeira vez, este ano, os bares "Baiana do Acarajé", "João da Carne" e "Empório Viação Cipó". #Entretenimento #Culinária