Sete peças sacras, furtadas na década de 70, da #Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar, em Ouro Preto, estão sendo procuradas pela Interpol - a Organização Internacional de Polícia Criminal. A iniciativa é da Promotoria Estadual de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico de Minas Gerais, vinculada ao Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). Os promotores esperam que dentro de, no máximo, 15 dias, as fotos das peças estejam disponíveis para consulta nos 190 países que fazem parte da Interpol.

As sete peças são compostas de uma de metal dourado da Irmandade do Santíssimo Sacramento, de um cálice custódia, de três cálices tradicionais e de duas coroas.

Publicidade
Publicidade

Elas foram furtadas no dia 2 de dezembro de 1973, após o arrombamento da Matriz do Pilar. De início as investigações ficam a cargo da Delegacia de Furtos e Roubos, mas em 1978, no auge da ditadura militar, qualquer divulgação sobre os trabalhos da polícia foi proibida pela pela censura federal.

A divulgação foi pedida após o MPMG ter recebido indícios do envio de objetos sacros furtados para Lisboa. A divulgação pela Interpol faz parte da base de dados que leva o nome de “Lista de difusão branca”. O MPMG constatou, também, que essas peças não constavam de um cadastro internacional que cataloga e busca peças de arte roubadas em todo o mundo.

Para o promotor Marcos Paulo de Souza, o roubo de peças sacras alimenta um comércio clandestino de bens culturais que só perde, em termos de movimentação de dinheiro, para o tráfico de drogas e de armas.

Publicidade

Segundo ele, as peças desaparecidas podem estar em qualquer lugar: antiquários, residências particulares, à venda em leilões e até mesmo pela internet.

O promotor Marcos Paulo estimou, também, que Minas Gerais "já tenha perdido 60% dos seus bens sacros em razão de furtos, roubos e apropriações indevidas." O furto na Matriz do Pilar é considerado um dos mais duros golpes na preservação do patrimônio histórico e artístico não só de Ouro Preto, mas de todo o Brasil. As obras têm um valor incalculável. #Crime #Casos de polícia