A população de Belo Horizonte segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e a Câmara de Dirigentes Lojistas de BH (CDL/BH), está mais endividada do que o mesmo período do ano passado. O aumento da inadimplência cresceu 5,64% em abril, números comparados ao mesmo período do ano passado.

Esses números do crescimento da inadimplência se deve a vários fatores, como o desemprego, aumento das taxas de juros, e a situação econômica em que vive o país, que ajudaram no cenário de endividamento dos cidadãos da Capital mineira.

Segundo a economista da (CDL/BH), Ana Paula Bastos, as pessoas que adquiriram dívidas há 3 a 4 anos, que mais estão com dificuldades de quitarem as suas contas, o que alavancou o crescimento da inadimplência.

Publicidade
Publicidade

Ela disse que essas pessoas estão sofrendo com o aumento das taxas de juros, dos últimos 5 anos e não estão conseguindo quitar seus financiamentos adquiridos neste intervalo de tempo.

Ana Paula Bastos, disse ainda que devido a perca de compra do salário, os consumidores não conseguem equilibrar suas contas, o que compromete o pagamento de dívidas adquiridas anteriormente a #Crise que assola o país.

Os comerciante de Belo Horizonte estão assustados com o aumento da inadimplência, o que afeta diretamente os comércios, já que novas compras por partes deste endividados, ficam barrados, e com a crise as vendas despencam drasticamente.

Um comerciante do Centro de Belo Horizonte, relatou que muitas lojas estão fechando as portas, já que não há movimentação de capital, os consumidores sumiram, não exite dinheiro como antes, disse o comerciante.

Publicidade

A economista Ana Paula Bastos da (CDL/BH), falou que os consumidores devem fazer um planejamento de seus gastos, evitando com isso a aquisição de novas dívidas, que irão comprometer suas rendas. Segundo ela, o pagamento de dívidas mais altas é o começo, já que se deixar de quitá-la, os juros vão deixando a conta impagável, o que pode piorar a situação.

Muitas lojas e Bancos, fazem acordos com os clientes que estão com dívidas atrasadas, o que também, segundo Ana Paula Barros, pode ser uma saída da inadimplência. #Crise econômica #Crise no Brasil