O dia começou tumultuado em Contagem, cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Como sempre acontece nos dias dos jogos ente Atlético e Cruzeiro, torcedores entraram em conflito numa praça da cidade. A briga ocorreu na esquina da Rua Londres com a Avenida João César de Oliveira, na Praça Paulo Pinheiro Chagas, no Bairro Eldorado. 

Segundo pessoas que se encontravam no local, a confusão envolveu cerca de 150 torcedores. Já tinha uma turma reunida na praça quando surgiram torcedores do time rival com pedaços de madeira e pedras. Os rivais confrontaram, houve muito desespero e correria por parte de quem estava no local, que se viram obrigados a correr para dentro de um bar e se esconder.

Publicidade
Publicidade

Informação sobre feridos

Quando as viaturas da polícia chegaram, o grupo já havia se dispersado. Mas, segundo as testemunhas, houve muita pedrada, paulada e porretadas que quebraram várias coisas e carros que se encontravam nas intermediações.

Pessoas informaram, nas redes sociais, que um torcedor havia sido morto durante a briga e que haviam também baleados, mas essa informação foi negada pela Polícia Militar que afirmou não ter nenhum ferido gravemente. A testemunha afirmou que quatro pessoas foram socorridas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, o SAMU, e levadas para hospitais da região. O estado de saúde delas não foi informado.

Clássico mineiro

Cruzeiro e Atlético-MG se enfrentam hoje, 12 de junho, em partida válida pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. O clássico mineiro acontecerá às 16 horas, horário de Brasília, no Estádio Independência, no Bairro Horto, em Belo Horizonte/MG.

Publicidade

A preocupação de ambos os times é buscar pontuação para sair da incômoda parte baixa da tabela, visto que os resultados no campeonato não têm sido dos melhores. 

O jogo será transmitido pela Premiere e Premiere HD e narrado por Bob Faria e Jaime Junior. O árbitro será o Marcelo Aparecido de Souza (CBF-SP) e será auxiliado por Pablo Almeida da Costa (ASP-FIFA-MG) e por Guilherme Dias Camilo (FIFA-MG).  #Futebol #Violência