Boa notícia para cerca de 500 vigias de escolas municipais da cidade de Belo Horizonte/MG. O Sindicato dos Servidores da Rede Municipal de Ensino, Sindirede, conseguiu, na #Justiça do Trabalho, uma liminar que suspende a demissão dos mesmos. Suspensão essa válida até que sejam finalizadas as negociações coletivas. No dia 8 de julho haverá uma audiência entre as partes para tratar do assunto. 

Entenda o caso

No mês de maio desse ano, a PBH, tomou a decisão de substituir a mão-de-obra dos vigias por sistema de vigilância eletrônica, no período de 23h às 6h da manhã. Segundo a Secretaria de #Educação do município, essa medida veio como forma de redução de despesas, que deve chegar em torno de 20% na administraçao municipal, e como forma de não impactar muito a parte pedagógica e programas desenvolvidos com os alunos.

Publicidade
Publicidade

O vigia noturno é o profissional contratado pela escola que mais exonera a folha de pagamento, visto os custos com hora-extra e adicional noturno.  O gasto mensal com a mudança na forma de vigilância cairá de 1,8 milhão para 500 mil mensal. Essa decisão foi desaprovada pelos professores e diretores das escolas que garantem que a proximidade dos vigias com a comunidade desestimula os atos de vandalismo, roubo e invasões cometidos nas escolas. 

Vigias se manifestam contra demissão

O anúncio feito pela PBH, no mês de maio, levou muitos trabalhadores a se manifestarem pelas ruas da capital mineira. Todos descontentes e preocupados com a perspectiva de serem demitidos, visto que muitas famílias dependem do salário dos vigias para se manterem.  A intenção das manifestações era mobilizar a população a respeito do problema enfrentado na educação, além de pressionar a prefeitura a revogar as demissões

Posição da Prefeitura 

A Prefeitura Municipal de Belo Horizonte informou que ainda não foi notificada da decisão tomada pela Justiça do Trabalho, de suspender as demissões dos vigias e ter que aguardar o resultado final da negociação coletiva, que será realizada entre as partes no mês de julho.

Publicidade

Por esse motivo, a PBH não comentará o caso.  #Desemprego