Mais um caso de crimes cometidos contra animais e crianças, agora em Belo Horizonte. Um homem, que trabalha como garoto de programa, foi detido pela Polícia Civil de BH, por suspeita de #zoofilia e pedofilia.

O homem já vinha sendo investigado há algum tempo e na última quinta-feira, dia 4, os policiais cumproram um mandado de busca e apreensão em seu apartamento, na região centor-sul da capital mineira.

No local foram encontrados vídeos e imagens contendo atos sexuais de pessoas com animais (cães e cavalos) e crianças. No apartamento havia também uma jaula.

O suspeito oferecia esses "serviços" (possibilidade de sexo com animais) a clientes por meio de dois perfis em um site de prostituição.

Publicidade
Publicidade

Apesar dos perfis terem sido removidos, a polícia já tinha o IP do suspeito e rastreando, consegue ligá-lo como responsável pelas páginas.

Além dos vídeos e imagens, a polícia apreendeu no local maconha, um notebook e um pen drive. As mídias já foram periciadas e as imagens serão analisadas.

O que foi encontrado relacionado à animais já foi encaminhado para a Delegacia Especializada de Crimes Contra o Meio Ambiente e Conflitos Agrários.  A Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente, recebeu as imagens nais quais aparecem uma criança de, supostamente, 10 anos, e dará continuidade à investigação por pedofilia.

O homem não ficou detido, apenas foi ouvido, assinou um termo circunstanciado pela posse de drogas e foi liberado. Pelos outros crimes não houve flagrante.

Prática de zoofilia

No Brasil, a prática de zoofilia é considerada #Crime, passível de multa e pena de detenção de um a três anos para quem a pratica.

Publicidade

Já outros países têm uma relação diferente com a prática.

A Alemanha, por exemplo, teve a prática de sexo com animais legalizada, em 1969, mas somente em casos onde o animal não sofresse maus-tratos, mas em 2013 a baniu, proibindo atividades que fossem contra  a "natureza das espécies".

A Dinamarca foi um dos últimos países a banir a zoofilia, em abril de 2015, no entanto, a Finlândia e a Romênia ainda permite a prática. #Investigação Criminal