Um #Crime bárbaro que aconteceu na região nordeste de Belo Horizonte, mas que choca não apenas a capital mineira, mas todo o país, pois um menino de apenas 5 anos foi estuprado e morreu na última quinta-feira, dia 1 de setembro. Quando a criança deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), localizada no bairro São Paulo, a equipe médica já constatou a violência sexual. Agora a Polícia Militar (PM) trabalha com a suspeita de que o padrasto, de 23 anos, seja o principal suspeito da barbárie.

A história ainda será investigada, porque a PM precisa entender o que de fato aconteceu, tendo em conta que, por exemplo, foi o próprio padrasto que levou o menino até à UPA.

Publicidade
Publicidade

A criança estava com ferimentos em diversos locais do corpo e também nas partes íntimas. Quando o médico examinou o menino, imediatamente constatou que ele já tinha morrido e que havia existido #Estupro. A equipe médica, ao avaliar o corpo do garotinho, constatou que entre os muitos hematomas, havia uma lesão mais grave no ânus, além de traumatismo craniano.

Imediatamente, o padrasto foi detido e levado para a CEFLAN - Central de Flagrantes da Polícia Civil, onde prestou depoimento. A família do menino está revoltada, mas prefere esperar o resultado das investigações para não cometer uma injustiça, já que a convivência com o homem sempre foi muito tranquila.

A mãe da criança, ao ser informada da brutalidade sofrida pelo filho e que ele veio a óbito, entrou em estado de choque, tendo que ser levada até um hospital para ser socorrida.

Publicidade

Ela esteve no hospital Odilon Behrens, juntamente com seus outros filhos, a menina com 11 anos e o menino com 12.

O padrasto segue negando ser o culpado, mas a polícia achou estranha a versão da história dada por ele, em que ele informou que a criança primeiro teria caído de uma escada e depois voltou a levar um tombo dentro do banheiro. O que a PM quer saber é por que ele não levou a criança para ser atendida na UPA após a primeira queda. A história ficou ainda mais difícil de acreditar quando o homem contou que a queda da escada aconteceu dias antes.

Os dois irmãos do garotinho que morreu informaram a polícia que não o viram cair da escada. O suspeito ficará em uma unidade prisional, pois o delegado Emerson Morais acredita que ele seja mesmo o culpado, mas as investigações irão prosseguir. #Casos de polícia