A polêmica em volta da morte suspeita de um torcedor dentro do Mineirão, em Belo Horizonte, ganhou mais um ingrediente. Imagens divulgadas por outro torcedor mostram a vítima caída no saguão do clube, já falecida.

As cenas foram feitas por um cinegrafista amador, após uma confusão na disputa entre Grêmio e Cruzeiro. A Polícia Civil está investigando as circunstâncias da morte do rapaz, de 37 anos de idade.

Eros Dátilo Belizardo aparece no chão com algumas pessoas em volta, entre elas muitos seguranças terceirizados. Um cinegrafista filma uma mulher dizendo que viu quando o vigilante agrediu o torcedor. Uma voz diz: “Ninguém agrediu ele”.

Publicidade
Publicidade

E ela rebate repetindo “Agrediu sim, lá dentro”.

No vídeo fica claro que a equipe de segurança tenta impedir a filmagem. O cinegrafista, que usa um celular para registrar os momentos de tensão, diz que conhece seus direitos e que filmar ele pode sim.

A vítima era integrante da diretoria de uma torcida organizada do time mineiro e chegou já sem vida ao hospital. Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde declarou que seu corpo tinha diversos traumas. Porém, o Instituto Médico Legal teria atestado, ainda de forma preliminar, que tais traumas externos por si só não seriam capazes de levar a óbito uma pessoa. O resultado definitivo sai em quatro semanas.

A polêmica em torno do caso reside no fato dos amigos de Belizardo afirmarem que ele foi vítima de agressões por parte da segurança. No entanto, segundo a polícia, o clube alega que ele se sentiu mal após o Cruzeiro sofrer o primeiro gol.

Publicidade

Ainda segundo a agremiação esportiva, a vítima teria sido socorrida por brigadistas e pela equipe de paramédicos do estádio.

Já Alessandra de Abreu, que estava perto de Belizardo no momento da suposta confusão, ressalta que ele foi agredido com um golpe de mata leão após ter solicitado a mudança de setor da arquibancada. Ela inclusive diz que ele foi levado à força para um quartinho e que quando saíram o rapaz já estava desfalecido. Ele teria então sido deixado no chão e só depois o socorro foi chamado pelos funcionários da empresa de segurança.

Os amigos e familiares estão exigindo as imagens do circuito de segurança estádio que comprovariam as agressões. Até o momento o material não foi divulgado.

#Crime #Casos de polícia