O desaparecimento da menina Ana Clara está deixando os moradores da pequena cidade de Carmo da Mata, no centro-oeste de Minas, comovidos. A garotinha, de 5 anos, sumiu no último sábado (12), supostamente enquanto a mãe estendia roupas no varal no quintal de sua casa. Nesta quinta (17), o delegado responsável pelo caso, Douglas Camarano, pediu cautela para a população em razão de boatos espalhados nas redes sociais.

Em nota emitida à imprensa, o delegado relatou que os fatos falsos divulgados pelos moradores podem complicar a vida de pessoas inocentes, atribuindo a elas acusações falsas, além de prejudicar o trabalho feito pelos policiais.

Publicidade
Publicidade

Douglas pediu que a população se atenha ao que está sendo divulgado por meio dos meios de comunicação, que são fontes confiáveis, e evite se deixar levar pelos boatos postados de maneira irresponsável nas #Redes Sociais.

Uma das preocupações de Camarano é em relação à mãe da criança desaparecida, Marciana. De acordo com o delegado, pessoas que se aglomeraram em frente à delegacia da cidade começaram a dizer que a mãe estava envolvida no sumiço de Ana Clara, o que não é verdade. Douglas informou ainda que teve que retirar Marciana de Carmo da Mata por motivos de segurança, o que considerou um absurdo. Ele frisou ainda que se tivesse alguma suspeita em relação a Marciana, teria pedido sua prisão preventiva também, assim como fez com o padrasto. Além disso, ela tem outra criança, de colo, que necessita de seus cuidados.

Publicidade

Para o chefe da Polícia Civil local, o desejo de #Justiça dos moradores tem atrapalhado a investigação com informações falsas. Ele destacou que, até o momento, não tem nada concreto em relação ao desaparecimento da menina e que a polícia compartilha do desejo de justiça da população, trabalhando com seriedade no caso.

Desaparecimento de Ana Clara

De acordo com a mãe, a criança estava na sala de sua casa, na companhia do padrasto e do irmão, de apenas 5 meses, enquanto ela foi estender roupas no varal, por volta das 15h de sábado (12). Ao retornar, não encontrou mais a menina e passou a procurar por ela acionando a polícia. Ao prestarem depoimentos, o padrasto foi preso por apresentar um documento falso e a mãe foi liberada. Apesar do motivo da prisão ser uma CNH falsa, o delegado não descarta o envolvimento do homem no desaparecimento da menina. Durante as investigações, o acusado chegou a dizer que a matou e ocultou o corpo, mas voltou atrás e negou. #Crime