O desaparecimento repentino de uma menina de 5 anos de idade, no interior de Minas Gerais, está mobilizando toda a população da pequena cidade de Carmo da Mata, localizada a 140 km de Belo Horizonte. De acordo com as informações iniciais, o fato aconteceu por volta das 15h do último sábado, 12 de novembro, e está sendo investigado pela Polícia Civil.

Ana Clara Pereira Gonçalves foi vista pela última vez na sala de sua casa situada na Rua Expedicionário José da Cruz, no Centro da cidade de Carmo da Mata. Sua mãe disse ter deixado a menina na sala enquanto estendia roupas no varal. Ao retornar do quintal, não encontrou mais a criança no local e foi até a casa de uma vizinha onde Ana Clara costumava ir com frequência, mas a menina também não estava lá.

Publicidade
Publicidade

Rapidamente, a notícia da menina desaparecida se espalhou por toda a cidade e chamou a atenção de todos os meios de comunicação da região que passaram compartilhar as informações sobre o caso na expectativa de que a criança seja localizada o mais rápido possível. A população se uniu ao Conselho Tutelar juntamente com as Polícias Civil e Militar para ajudar a esclarecer o desaparecimento de Ana Clara.

O delegado responsável pela investigação, Douglas Camarano, relatou à imprensa que o padrasto da menina, cuja identidade não foi revelada, foi preso na cidade de Campo Belo enquanto prestava depoimento. Segundo o delegado, o motivo da prisão teria sido a apresentação de uma Carteira Nacional de Habilitação falsa que ele portava. Porém, seu envolvimento no desaparecimento da criança não foi descartado por Camarano, que ainda informou que o carro do padrasto foi apreendido e será periciado.

Publicidade

Algumas informações falsas sobre a localização da menina foram divulgadas nas redes sociais, dizendo que o corpo teria sido encontrado na zona rural próximo da fazenda da Tamanca, mas, até o momento, nada foi confirmado. Ana Clara segue desaparecida desde sábado e o delegado continua trabalhando no caso. Douglas não descarta nenhuma linha de investigação. #Justiça #Crime #Casos de polícia