Já era de se esperar. Após vários panelaços anti-governo, #Crise econômica, escândalos de corrupção na Petrobrás, culminando com a insatisfação geral da maioria esmagadora de toda a nação brasileira, a presidente #Dilma Rousseff cai na lista de mulheres mais poderosas da Forbes, e pela segunda vez seguida. 

Ela, que há dois anos chegou a figurar no segundo lugar, caiu para a sétima posição na lista que acaba de ser divulgada. Merece destaque o fato de Dilma Rousseff ter caído da quarta posição (em 2014) para a sétima, ou seja, Dilma caiu na lista da Forbes descendo três posições. 

A melhor posição ocupada pela presidente do Brasil foi em 2013, quando ficou atrás apenas de Angela Merkel, chanceler alemã que já se acostumou à primeira posição da lista de mulheres mais poderosas da Forbes, já que figura na primeira posição por nove vezes.

Publicidade
Publicidade

Em segundo lugar na lista de mulheres mais poderosas do mundo está a provável candidata dos Democratas à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton.

As outras mulheres poderosas a figurarem nas dez primeiras posições são - em ordem de mais poder - a Melinda Gates, esposa de Bill Gates, empresária e filantropa; a presidente do banco central dos EUA Janet Yellen; seguida da presidente-executiva da General Motors, Mary Barra; na sexta posição aparece a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.

Já a diretora de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, aparece na oitava posição; Susan Wojcicki, que é executiva do YouTube ocupa a nona posição, e por fim a primeira-dama dos EUA, Michelle Obama, que aparece na décima posição das mulheres mais poderosas da Forbes de 2015.

Publicidade

Desde o ano de 2011, Dilma Rousseff aparece na famigerada e cobiçada lista, quando ficou na terceira posição, assim como no ano seguinte, 2012.  

Duas outras mulheres brasileiras estiveram na lista no ano passado: A über modelo Gisele Bündchen, que ocupou a octogésima nona posição e se aposentou das passarelas em abril deste ano e Graça Foster, a ex-presidente da Petrobras, que aparecia em excelente posição em 2014, ocupando o décimo sexto lugar, neste ano nem sequer apareceu na lista, devido ao escândalo de corrupção na estatal brasileira.  #Petrobras