A #Petrobras, maior empresa empresa brasileira, teve ontem uma pequena vitória contra a corrupção: foi devolvido, após acordo de delação premiada com um dos envolvidos no escândalo, o ex-gerente da Petrobrás Pedro Barusco, o valor de R$ 157 milhões que corresponde a 80% que Barusco prometeu devolver dos R$ 197 milhões. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou nesta segunda-feira que às investigações foram conduzidas de forma impessoal, e comemorou, indicando que a busca é pelo "esclarecimentos dos fatos" e não por "uma pessoa ou outra".

No total a Petrobrás já conseguiu firmar acordos de delação premiada que preveem a devolução de R$ 570 milhões, além disso, o Ministério Público já conseguiu bloquear outros R$ 500 milhões em processos.

Publicidade
Publicidade

Essa devolução não trará e não cobrirá a mancha deixada pela corrupção neste país, simplesmente nos mostrou que lá dentro há bolsões de ineficiências em vários setores. A Petrobrás é, e continua sendo uma empresa monopolista, enquanto não houver concorrência que pressione para que a gestão da empresa tome medidas para garantir a geração de valor aos brasileiros, haverá de acontecer, infelizmente fatos como estes.

Devemos comemorar sim, essa pequena "vitória", mas também devemos estar atentos para o que a corrupção tem feito ao nosso país, desgastes públicos em vários setores e a falta do retorno de nossos tributos pagos, estão levando a nossa economia para a defasagem e posterior recessão. A população deve cobrar a punição de todos envolvidos e o possível retorno de todo o dinheiro, que é nosso.

Publicidade

Delação premiada

Na delação premiada a pessoa investigada aceita devolver os recursos ao confessar os crimes. Esse processo é o caminho mais rápido do que longos processos judiciais, além disso, o Ministério Público tem recebido total apoio do atual presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine, ressalta que a empresa vem colaborando com as investigações da corrupção descobertas pela operação #Lava Jato. Afirma também que a orientação recebida pela Presidente Dilma Roussef foi clara: "não hesitar em defender os interesses da companhia diante dos malfeitos e buscar sem descanso a reparação integral por todos eles".

E como seria bom se todo esse recurso da Petrobrás retornasse a população em forma de sistema público que funcionasse, uma educação melhor para os brasileiros, melhores investimentos para captação de emprego, mas por enquanto temos que nos conformar com as investigações e torcer para que a justiça seja feita. #Governo