Rumores afirmam que Dilma Rousseff já admite, em bastidores no Palácio do Planalto, que será quase impossível elaborar uma alternativa contra a emenda constitucional que pretende reduzir a maioridade penal no Brasil de 18 para 16 anos. Por conta disso, a presidente já estaria se mobilizando junto aos seus aliados políticos para criar uma grande mobilização contrária a decisão pela redução.

A votação na Câmara está prevista para ser realizada já neste mês de junho, segundo afirmou na última segunda-feira, 1, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A decisão pegou o #Governo de surpresa, que esperava ter mais tempo para pensar em uma resposta eficiente contra a modificação na lei.

Publicidade
Publicidade

A expectativa do Governo Federal é acompanhar o andamento do processo mais de perto, participando com maior destaque dos debates a cerca do tema em várias estâncias políticas e sociais, além de mobilizar militâncias políticas aliadas, movimentos sociais e estudantis, e toda a base do PT contra a aprovação da mudança. Um grupo ministerial já foi selecionado por Dilma para comandar a mobilização.

Argumentações

A discussão em torno do tema é muito grande e parece não ter fim. Só na Câmara dos Deputados, por exemplo, já dura 22 anos, desde que o projeto a favor da redução da maioridade penal foi apresentado. A ala a favor defende a ideia de que a punição de três anos de reclusão para o adolescente nunca funcionou e que uma pessoa de 16 anos já tem condições de responder pelos seus atos.

Publicidade

Além disso, estes creditam o aumento da criminalidade no Brasil à falta de impunidade.

Em contrapartida, a ala que é contra defende a ideia de que a redução não vai solucionar os problemas da violência no país e que isso poderá aumentar de forma absurda a população carcerária, que não tem a menor estrutura para manter tantos presos. Além disso, estes defendem a ideia de que jovens de 16 anos ainda não têm a maturidade suficiente para discernir sobre seus atos, não merecendo, com isso, receber o mesmo tratamento punitivo que os maiores de 18 anos.

Para Luiz Fernando Valladão, advogado, professor universitário e procurador do município de Belo Horizonte, a redução da maioridade penal não deve ser implantada.

"Acompanhamos em nosso dia a dia que no Brasil a polícia prende constantemente pessoas sem a menor justificativa e de forma preconceituosa. É arriscado porque, com a redução da maioridade penal, pode ocasionar uma espécie de vingança contra os mais pobres. As prisões não vão recuperar ninguém, muito pelo contrário, elas vão trazer ainda mais revolta social.

Publicidade

A solução mais viável seria realizar mudanças no Estatuto da Criança e do Adolescente, com o intuito de melhorar a lei com ações como a extensão do tempo máximo de internação do menor infrator no país", afirma Valladão.

Já para João Dantas, microempresário do ramo de calçados em Salvador, a redução da maioridade penal deve ser realizada no Brasil.

"Eu até compreendo alguns argumentos contrários a redução. Tem essa coisa da polícia mesmo que age muitas vezes de forma violenta com os jovens, mas a situação da criminalidade no Brasil já chegou a um ponto que não dá mais para aguentar. Eu sei que a redução não vai diminuir a violência no país, mas pelo menos pode colocar medo no jovem de saber que ele não está mais impune e que se for preso vai para cadeia como qualquer outro. Por isso sou a favor da redução", explica Dantas. #Legislação