Programas como o Ciência Sem Fronteiras, que permite o intercâmbio de estudantes brasileiros em outros países, e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), financiador de graduação em instituições não gratuitas, servem como incentivo ao ingresso nas universidades. Além deles, o Sistema de Ingresso por Mérito (SIM) reserva um determinado número de vagas para cada curso superior a serem preferencialmente ocupadas àqueles alunos de melhor desempenho no Ensino Médio.

Através do SIM, que também destina bolsas de estudo para pessoas acima de 50 anos, o sonho de Edna Margarida Gaidzinski Bastos, enfim, foi realizado. Do alto dos seus 72 anos, entre cinco filhos, 12 netos e dois bisnetos, ela encontra forças e tempo para cursar Letras e garante: “a idade não me atrapalha em nada”.

Publicidade
Publicidade

Enquanto vai de uma sala a outra no intervalo das disciplinas no prédio de Letras da #universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc), localizada em Criciúma-SC, Edna observa os sinais dos tempos. O contato com outros jovens estudantes, agora diário, surge como inspiração para a futura educadora.

Apaixonada por livros, sobretudo os de poesia, Edna está somente no terceiro semestre do curso de Letras, com uma longa trajetória pela frente. Para ela, a decisão de ingressar no ensino superior serviu como uma verdadeira transformação em sua vida.

“Na minha época, a mulher tinha dois destinos. Ou se casaria e viraria dona de casa, ou seria professora. E mesmo ser professora era raro. Tive um momento de luz e reflexão e entendi que a graduação era o caminho que eu deveria percorrer.

Publicidade

Me identifiquei no curso de Letras. Tenho, claro, uma ou outra dificuldade, mas vou no meu ritmo. Tenho tido desafios encantadores”, relata a estudante.

Ela também conta como faz para se dividir entre os livros e uma família que cresce a cada ano:

“Tenho os meus filhos, os netos e os bisnetos para receber e tenho a casa para coordenar. Mas tudo isso quando eu não estou ocupada estudando. O meu tempo está muito curto porque faço alguma coisa toda hora. É a minha receita para manter a mente sempre jovem”, brinca. #Educação