O jovem Gleison Vieira da Silva, de 17 anos, foi brutalmente assassinado na noite desta quinta-feira, dia 16 de julho, em um alojamento educacional para garotos, localizado na cidade de Teresina, capital do estado do Piauí. Gleison é acusado de participar do estupro coletivo ocorrido na cidade próxima a capital piauiense, de nome Castelo. De acordo com os policias que investigam o caso, o adolescente foi morto pelos próprios comparsas, que também participaram do crime em conjunto. Trata-se de outros três jovens que estavam presos no mesmo local.

Ainda segundo os policiais, Gleison foi assassinato a socos e pontapés e teve a sua cabeça batida várias vezes contra o chão.

Publicidade
Publicidade

Os diretores do alojamento acreditam que o motivo do crime foi o sentimento de vingança dos outros garotos, já que a vítima foi a principal delatora para a polícia, durante as investigações do caso de estupro em Castelo. Dentre os assassinos do jovem, dois têm 15 anos e um tem 16 anos. Todos foram condenados a três anos de reclusão e tratamento educacional.

No caso do estupro coletivo ocorrido em Castelo, os quatro rapazes teriam, além de estuprado as quatro garotas, também jogado as vítimas de um morro de mais de 10 metros de altura. De acordo com o depoimento de uma das vítimas, os estupradores ainda desceram para conferir se as meninas estavam mortas, uma delas teria, inclusive, se passado por morta para se livrar dos agressores e salvar a própria vida. A jovem Danielly Rodrigues Feitosa, de 17 anos, não resistiu aos ferimentos e acabou falecendo.

Publicidade

Os jovens assassinos de Gleison foram transferidos para um Complexo de Cidadania em outro bairro da cidade de Teresina e estão separados por celas. Segundo o juiz que cuida do caso, eles já estão sendo ameaçados de morte no centro educacional onde estavam. O local já está superlotado, com mais de 30% acima da capacidade ideal, e os internos já avisaram que, caso os três adolescentes retornem para o centro, serão assassinados sem piedade. A polícia e o juiz do caso estão tentando solucionar esse impasse. #Violência