Com os altos índices de violência em todo o Brasil, é comum ver diariamente nos noticiários todos os tipos de crime. Porém o que aconteceu em Belo Horizonte no último dia 22 junho não é noticiado com tanta frequência. Segundo o jornal Estado de Minas, as apurações do Departamento de Investigações de Homicídios e Proteção a Pessoas (DHPP), apontaram que um ladrão se matou acidentalmente ao cometer um assalto.

Entenda ao caso

O assalto aconteceu na noite do dia 22 de junho, no bairro Maria Goretti, em Belo Horizonte.A principio a polícia acreditava que Mateus Henrique Bambirra, tinha sido morto por um dos seus comparsas.

Publicidade
Publicidade

Porém as investigações da polícia civil sofreram uma reviravolta com os depoimentos das testemunhas do #Crime.

Mateus Henrique e mais 03 comparsas entraram no supermercado no final do expediente, renderam os funcionários que já estavam de saída, fizeram com todos se deitassem no chão e foram até os caixas para recolher o dinheiro. Entretanto como o expediente já havia sido encerrado, o dinheiro já tinha sido recolhido e o gerente informou que os valores já estavam no cofre, porém as chaves não ficam no mesmo local.

Neste momento Mateus Henrique rendeu a tesoureira do supermercado, agarrando-a pelos cabelos e exigindo que a mesma o levasse até onde estava o cofre com o dinheiro, sempre com a arma apontada para a funcionária.

Segundo as testemunhas, enquanto Mateus Henrique forçava a funcionária a levá-lo até o dinheiro, ele acabou atirando contra sua cabeça.

Publicidade

Conforme depoimento da tesoureira ao policiais, Mateus estava muito agitado e nervoso, sempre com a mão no gatilho. Quando caminhavam em um corredor apertado, indo em direção a tesouraria, ele esbarrou o braço em uma prateleira, com o impacto acabou acionando o gatilho, se matando com um tiro na cabeça. Ela disse que o barulho do tiro foi ensurdecedor e que ao olhar para trás se deparou com o criminoso caído no chão. 

Segundo o laudo do IML Mateus Henrique morreu devido a um traumatismo cranioencefálico por objeto pérfuro-contundente, introjetado a curta distância, ou seja, um tiro a queima roupa.

Tudo indica que a morte do criminoso foi mesmo acidental.  #Justiça