Mais um indicativo da grave crise econômica que assola o Brasil foi divulgado nesta semana. Segundo dados da MTE/Caged, e divulgados pelo jornal Folha de São Paulo, no último dia 21 de agosto, meio milhão de vagas com carteira assinada foram perdidas no país durante o período registrado de janeiro a julho deste ano. Em números absolutos, ainda segundo os dados divulgados, o total de 157.905 vagas deixaram de existir em território brasileiro.

De acordo com o economista Adriano Fonseca, estes dados consolidam o estado de crise na economia brasileira. “Que há crise no país não há mais dúvidas. A questão agora é como sair dela.

Publicidade
Publicidade

O fato de a presidente Dilma Rousseff já ter aceitado a real situação crítica em que vive o Brasil já é um grande passo, pois sabemos que o ego dos políticos e suas birrinhas partidárias quase sempre atrapalham a resolução de crises no país. É preciso agora, antes de tudo, e acima de tudo, pensar na população brasileira e superar os entraves políticos. O #Governo, admitindo os erros, cortando e controlando os gastos desnecessários, e investindo em produção de renda pode ter esperança de dias melhores para o ano que vem”, diz o economista.

Essa é a maior queda de trabalhos com carteira assinada no Brasil desde 1998. A pesquisa é realizada anualmente, desde 1992. #Desemprego #Crise econômica