Uma das barreiras que impedem o crescimento das doações de sangue no Brasil ainda é, acredite se quiser, o medo oriundo dos mitos em torno destas doações. Juliana Carla, 19 anos, estudante, afirma que até já quis doar uma vez, mas não teve coragem.

“Era para uma tia de uma amiga minha. Ela me pediu muito e eu até quis doar, mas depois fiquei com medo. É muita história maluca que a gente ouve por aí. Fiquei com medo de pegar uma doença, sei lá. Na dúvida eu preferi não doar. Me desculpei com a minha amiga e eu acho que ela entendeu”, diz a jovem.

Mitos

Soraya Simões, Gestora de RH da 2S Inovações Tecnológicas, empresa responsável pela campanha de doação de sangue “Setembro Vermelho”, fala sobre os mitos históricos em torno das doações.

Publicidade
Publicidade

“Alguns mitos foram criados devido a falta de informações, como, por exemplo, que algumas pessoas se sentem mal ao doar, mas os especialistas dizem que é psicológico porque doar sangue não interfere em nada no metabolismo do doador. Outro mito é quanto ao risco de pegar uma doença doando sangue. Além do medo de agulhas. Os médicos dizem que não há risco algum. O controle é rigoroso e todo o material usado é descartável”, explica Soraya. #Curiosidades #Blasting News Brasil