Mais um #Crime hediondo choca a todos. Graças as brechas das nossas leis caducas, o jovem skinhead de 22 anos, Guilherme Lozano de Oliveira, assassino confesso de um punk em 2011, condenado a 15 anos de prisão que foi colocado em liberdade pois segundo a juíza responsável pelo caso, ele não apresentava perigo a sociedade, assassinou friamente sua tia.

Entenda o caso

Segundo informações do portal de notícias G1, Guilherme Lozano de Oliveira, foi preso na noite da quarta-feira (5) e confessou ter enforcado, matado e esquartejado o corpo da tia há aproximadamente 60 dias. O jovem morava com a tia em um apartamento na Vila Gustavo, em São Paulo.

Publicidade
Publicidade

O pai de Guilherme já estava desconfiado que tinha algo de errado pois não conseguia entrar em contato com sua irmã há vários dias. Sempre que ligava procurando por Kely Regina de Oliveira, quem atendia era Guilherme, hora falando que ela estava em viagem, em outras ocasiões que estava fazendo compras e ultimamente ele afirmava que a tia não queria mais falar com o irmão.

Quando Marco Antônio Oliveira ia até o apartamento, o filho o impedia de entrar no imóvel. Entretanto, na noite de quarta-feira (5), o pai de Guilherme pediu para entrar no imóvel, ele não permitiu, foi quando Marco parou um carro da polícia explicando sobre o sumiço da irmã e que o filho poderia ser culpado. Neste momento, o jovem entrou no carro e saiu do local, sendo perseguido pela polícia, na fuga Guilherme perdeu o controle e acabou batendo em um poste, e ele saiu do carro sem ferimentos sérios, dizendo que não havia feito nada, porém quando questionado sobre a tia acabou dizendo que ela morreu acidentalmente.

Publicidade

Depois admitiu o homicídio.

Friamente o jovem confessou que matou a tia por que eles brigavam muito e que durante mais uma discussão ele a matou, desmembrou seu corpo, colocou as partes em sacos de lixo e em uma mala e guardou na geladeira, onde mantinha as partes congeladas. A intenção do jovem era ir descartando partes do corpo aos poucos pela região, inclusive os braços da mulher já tinham sido enterrados em uma área de mata próxima do apartamento.

A tia de Guilherme tinha 44 anos e foi a única que acolheu o jovem depois que ele ganhou liberdade. Segundo a polícia civil, o jovem vai responder por mais um homicídio, ocultação de cadáver, desobediência e acidente de carro. 

Peritos do IML (Instituto Médico Legal), foram até o apartamento onde recolheram partes do corpo da tia de Guilherme, após a autopsia será possível saber a real causa da morte.

  #Investigação Criminal #Casos de polícia