O confronto aconteceu no sábado, 08 de agosto, na Comunidade da Pedreira terminando com a morte de um dos bandidos mais procurados do Rio de Janeiro. Playboy como era conhecido no mundo do #Crime, pertencia a uma família de classe média carioca, estudou em boas escolas, mas aos 18 anos optou pelo crime.

Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy, com mandato de prisão em aberto desde 2009, já tinha sido julgado e condenado pelos crimes de tráfico de drogas, roubo e homicídio. Sua sentença foi 15 anos de prisão.

Playboy estava na casa de sua namorada, em Costa Barros, zona norte do Rio de Janeiro, quando foi surpreendido pela Polícia, que já estava a sua captura e com o serviço de inteligência, que já sabia onde ele se encontrava.

Publicidade
Publicidade

Quando a polícia chegou, Playboy tentou fugir, pulando um muro para um terreiro de macumba, mas por estar cercado por policiais ele foi atingido por um tiro na perna e outro no abdômen.

O bandido foi socorrido por policiais e levado ao Hospital Geral de Bonsucesso, onde já chegou sem vida. A operação contou com o apoio dos policiais do CORE da Polícia Civil, DER da Polícia Federal e do Departamento de Inteligência da Polícia Militar. Mais de 80 policiais participaram da diligência.

O Playboy, em entrevista a revista Veja disse que estava pensando em se entregar, pois em um dos processos foi condenado a 15 anos de prisão. "Todas as informações que eu tenho é que a polícia não quer me prender, quer me matar" afirmou ele. 

Por ser um bandido ousado, Playboy desafiou a polícia e fez junto com sua quadrilha um roubo de 193 motos de um galpão, devolvendo-as depois. A Polícia Militar que faz o patrulhamento da área, recebeu reforço do batalhão de choque para evitar confronto entre bandidos de outras comunidades que querem invadir a Comunidade da Pedreira no Rio de Janeiro.

Publicidade

 

Leia mais notícias policiais de destaque:

FACÇÃO CRIMINOSA DE SÃO PAULO FATURA MAIS DE 15 MILHÕES DE REAIS POR MÊS

GLOBO EXIBE FOTOS DE CADÁVER DE TRAFICANTE COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ E PÚBLICO CRITICA #Casos de polícia