Uma nova operação foi deflagrada pela Polícia Federal nessa sexta-feira, 14 de agosto. Os novos escândalos estão relacionados com as obras da Copa do Mundo de 2014. O nome da operação foi batizada de Fair Play e apura diversas irregularidades na construção da Arena Pernambuco. Segundo a operação da Polícia, a obra pode ter sido superfaturada em R$ 42,8 milhões, podendo chegar em até R$ 70 milhões irregulares. O custo total da obra foi R$ 796 milhões.

Para a PF houve fraude também na licitação da obra. Segundo o delegado da PF, Felipe Barros Leal, de Recife, a projeção é de R$ 42,8 milhões de superfaturamento, mas ainda é preciso recolher material para confirmar o alto custo da construção e saber o valor exato do superfaturamento.

Publicidade
Publicidade

Segundo o delegado a fraude na concorrência internacional já foi confirmada nas investigações. A Construtora Odebrecht foi escolhida para fazer o projeto do estádio um ano antes da licitação ser lançada ao público. Quando o edital finalmente foi lançando, as demais construtoras tiveram apenas 45 dias para fazer uma proposta de projeto para o estádio.

Os mandados de busca e apreensão foram realizados até o início da tarde de sexta-feira em Recife. A Polícia fez buscas na Arena Pernambuco (onde recolheu documentos e computadores), no Comitê de Gestão Público Privada do #Governo de Pernambuco e na própria Odebrecht. Cujo dono Marcelo Bahia Odebrecht está preso desde 19 de junho deste ano. Ele está preso na sede das investigações da Operação Lava Jato em Curitiba, PR.

O contrato que está sendo investigado é de junho de 2010, que ainda está em vigor, e foi firmado entre o Governo de Pernambuco com a Odebrecht.

Publicidade

A polícia investiga também a #Corrupção de funcionários públicos, fraude no financiamento com o banco BNDES, e diversos crimes e irregularidades na forma como foi feita a licitação.

Essa foi a primeira investigação e escândalo na construção dos estádios da Copa do Mundo no Brasil. Muitas irregularidades ainda devem ser achadas pela Polícia Federal. #Investigação Criminal