Os bancos Itaú e Serttel levam, desde 2011, quando iniciaram a parceria entre as empresas, sistemas de bicicletas para países do continente latino-americano, porém, em operações distintas. A ação funciona da seguinte forma: qualquer pessoa que utilizar as bicicletas compartilhadas na Argentina ou no Chile, para qualquer finalidade, como passear ou ir ao trabalho, somente para citar dois exemplos comuns do que se fazer durante o dia com uma bike, poderá utilizar um serviço brasileiro.

Além de Argentina e Chile, o serviço de bicicletas públicas compartilhadas, oferecido pelos bancos, pretende chegar com mais força, nos próximos anos, em outros países do continente sul-americano, como: Uruguai, Peru, Colômbia, Paraguai, Equador e Venezuela, além de Panamá e Costa Rica, na América Central, e no México, na América do Norte.

Publicidade
Publicidade

No Brasil, o serviço já vem sendo oferecido em grandes cidades, como: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Belo Horizonte, Porto Alegre, dentre outras, e já obtém grande aceitação, servindo como alternativa de transporte para a população. Entretanto, a falta de vias exclusivas para ciclistas ainda é um problema a ser resolvido em muitas destas cidades onde o serviço é oferecido, gerando riscos para quem opta por este tipo de transporte. #Negócios #Blasting News Brasil #Mercosul