Após o surgimento de diversas pautas "polêmicas" que foram aprovadas na Câmara dos Deputados, em Brasília, é a vez da #Educação tomar a frente dos debates entre os parlamentares e senadores do Congresso Nacional. Na última semana, por exemplo, os deputados votaram na maioria pela aprovação do Estatuto da Família. O texto original exclui casais formados por pessoas do mesmo gênero como uma forma de família e exclui direitos possíveis a estas formações familiares.

Será necessário que o Senado também aprove o projeto para ele ter seguimento. Segmentos que lutam pelos direitos dos LGBTs acreditam que ele não terá aprovação dos senadores.

Publicidade
Publicidade

Hoje, por outro lado, um avanço foi dado para os educadores de todo o país.

O senador e ex-jogador de futebol, Romário (PSB), acertou um gol de placa. Ele indicou recentemente um projeto de lei que vai obrigar professores a ensinar a Constituição Federal nas escolas. O projeto de lei é válido para escolas de ensino fundamental e médio do Brasil. Quem quiser ler mais sobre o projeto de lei do senador, basta procurar pelo “PLS 70/2015”.

Em sua página no Facebook, Romário comentou a necessidade de se ensinar a Constituição Federal nas salas de aula.

“A participação política aumentou muito. Para participar, é preciso ter acesso à informação de qualidade. É com educação, conhecendo melhor nossos direitos e deveres que alcançamos cidadania”, declarou ele publicamente. O senador ressaltou, ainda, que é defensor da educação política.

Publicidade

O que muda nas escolas

A Lei de Diretrizes de Bases da Educação é fundamental para a existência de um projeto político-pedagógico que impulsione os alunos a encontrar seu papel no mundo. O projeto de Romário vai incluir da disciplina “Constitucional” no currículo dos alunos do fundamental e médio. No conteúdo desta matéria os alunos deverão conhecer os direitos das crianças e adolescentes.

Para ser sancionado, o Projeto de Lei do Senado deverá passar pela Comissão de Educação em mais um turno de votação. Em seguida, será encaminhado para a Câmara dos Deputados para nova votação. O avanço do #Governo não encontro, ainda nenhum impedimento para seguir em frente. #Reforma política