A CNN publicou nesta quinta-feira, 24/09, a descoberta feita no Brasil, de um crânio de 9.000 anos de idade, encontrado por um grupo de arqueólogos da USP, em uma caverna na região de Lagoa Santa (MG). Segundo o artigo, os cientistas confirmaram que este pode ser o caso mais antigo de decapitação ritual no Novo Mundo.

O crânio descoberto no abrigo de pedra em Lapa do Santo, tinha as mãos amputadas descansando sobre o rosto e pertencia a um homem. Os pesquisadores disseram que a decapitação não foi o resultado de um assassinato, mas, provavelmente, de uma prática de enterro utilizada culturalmente naquele período.

Era parte dos rituais de enterro, que incluía a "manipulação do corpo", disse André Strauss, investigador do estudo, publicado na revista cientifica PLOS ONE.

Publicidade
Publicidade

Um crânio sem corpo

Em entrevista ao G1, Strauss diz que demoram um pouco a entender a situação. "Na época, a gente estava começando a escavar, encontramos o crânio, e estávamos esperando encontrar o resto do corpo. Mas continuamos escavando, e nada de corpo". "Mas o processo é lento. A gente leva cerca de 20 dias para fazer uma escavação como essa, e levamos quatro dias até entender o que estava acontecendo. A única explicação para aquilo que a gente estava vendo era um caso de decapitação" ."Os habitantes de Lapa de Santo, pareciam usar o corpo humano para expressar seus princípios cosmológicos sobre a morte", disse ele.

Os especialistas dizem, que a decapitação era considerada um ritual entre os caçadores-coletores na área, durante um período referido como o Holoceno.

"Esta decapitação ritual, atesta a sofisticação inicial dos rituais mortuários entre caçadores-coletores nas Américas", disse Strauss.

Publicidade

"Geograficamente, amplia a gama conhecida de decapitação em mais de 2.000 quilômetros, mostrando que durante o período Holoceno inicial, este não foi um fenômeno restrito a parte ocidental do continente como assumido anteriormente."

A decapitação mais antiga conhecida

O crânio é três mil anos mais velho que a evidência anterior conhecida, de decapitação na América do Sul, que eram dos povos dos Andes peruanos, cerca de 4.000 anos atrás.

Um dos sítios arqueológicos mais importantes das Américas, a região de Lagoa Santa é o local onde foi encontrado o fóssil do remanescente humano mais antigo encontrado no Brasil, com 11.500 anos, chamado de Luzia.

O crânio foi retirado em 2007 do local, e após várias preparações e análises detalhadas, os cientistas entenderam o procedimento ao qual o indivíduo foi submetido. A descoberta está descrita, na quinta-feira, 24/09, em um estudo publicado pela revista científica "PLoS One".

 Strauss e seus colegas do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, na Alemanha detalharam as descobertas.    #História #Curiosidades #universidade