Se já não bastassem os cortes para 2016, feitos pelo #Governo Federal, nas ofertas de bolsas para o programa de estudo e pesquisa no exterior, “Ciência sem Fronteiras”, e nas vagas disponíveis para o programa de estímulo ao ensino técnico e profissional no país, “Pronatec”, agora, a escolarização no Brasil foi considerada 20 anos atrasada em comparação a escolarização de países vizinhos, como, por exemplo, o Chile e a Bolívia.

A afirmação foi feita pelo ex-ministro da Fazenda Pedro Malan, atual vice-presidente do Instituto Unibanco, em um seminário internacional sobre o tema da qualidade na #Educação pública dos países e suas possíveis formas positivas de gestão, realizado no início deste mês de setembro na capital paulista, sob a coordenação do próprio Instituto, em parceria com o jornal Folha de São Paulo.

Publicidade
Publicidade

No entanto, mesmo com a afirmação negativa apresentada no evento, Malan também se demonstrou otimista em sua fala, alegando que o “caminho é longo”, porém, “possível de ser recuperado”. Para isso, ainda de acordo com o ex-ministro da Fazenda, é preciso que o Brasil se espelhe em modelos bem-sucedidos de gestão da educação pública, não apenas na América do Sul, mas em todo o mundo. #Blasting News Brasil